10 conselhos em forma de perguntas (Parte I)

Para examinar e reimpulsionar projetos confessionais online

Roma, (Zenit.org) Jorge Henrique Mújica | 572 visitas

O mais forte não é quem sobrevive, mas quem se adapta melhor às mudanças, aprendendo a incorporá-las e, mais ainda, tentando descobrir, adiantar-se e propor o novo.

Esta não é uma máxima do evolucionismo, e sim uma constatação empírica do mundo da tecnologia, em particular da internet. Em sua curta vida, a web já viu milhares de iniciativas nascerem e desaparecerem: muitas delas foram paradigmas da comunicação digital, divisores de águas para novos projetos que vieram depois. 

A internet, como a conhecemos hoje, é uma grande rede social: não há fronteiras, a interação é a norma, todos podem ser emissores e os conteúdos virais costumam vir de pessoas que viram celebridades da noite para o dia. Como descobrir e aproveitar todas essas possibilidades que a rede mundial nos fornece no âmbito confessional católico? 

Daniel McInerny participou do Christian Leaders Technology Forum, no início de dezembro de 2013, no Vale do Silício, Califórnia. Ele ouviu as falas dos “gurus digitais” e as suas contribuições tanto no âmbito da aplicação tecnológica quanto no das ideias digitais a serviço do Evangelho. Fazendo uma síntese, McInerny recopilou e publicou em Aleteia.org dez sugestões que agora enriquecemos com exemplos práticos de sites católicos. 

1. Mobilidade. Daniel McInerny diz que há hoje no mundo mais dispositivos móveis do que escovas de dentes: 4 bilhões, para ser exato. Daí a pergunta: o seu site está preparado para ser aberto em dispositivos móveis? O Vaticano está na vanguarda. Conheça o aplicativo do papa:  http://www.thepopeapp.com/

2. Conexão emocional. O conselho se refere a criar uma ligação emocional com os próprios seguidores ou “fãs”: mostrar empatia, proximidade. Não como estratégia de marketing, mas como cabe a quem se relaciona com pessoas de carne e osso. O seu site cria uma conexão emocional com as pessoas? Veja como isso é feito nas fan pages da Evangelidigitalización (https://www.facebook.com/evangelidigitalizacion). 

3. Personalização. Uma consequência do ponto anterior: em que medida o visitante pode personalizar a experiência dele no seu site? Um exemplo é a Netflix que, mesmo sendo um site pago, conseguiu se posicionar como um dos projetos digitais mais importantes de 2013. 

4. Fazer diferença. O que há no seu site que não há em nenhum outro? Daniel McInerny recorda que fazer diferença não equivale a conquistar 15 minutos de fama. Ele menciona o caso da “Charity: Water” (“Caridade: Água”, http://www.charitywater.org), um projeto que faz diferença porque pratica a caridade levando água para quem não tem. Exemplos na mesma linha são os sites Misas.org (http://www.misas.org/), que reúne horários de missas do mundo inteiro, e o http://www.whynotpriest.org, o primeiro portal vocacional que usa vídeos para apresentar a vocação sacerdotal aos jovens. 

5. A geração Y. Trata-se da geração que nasceu a partir de 1980 e que cresceu com a internet. Eles não tiveram que “migrar”: são nativos digitais. E muitos desses jovens procuram respostas na web para as suas perguntas mais profundas. Qual é o linguajar que você usa no seu site? Os jovens entendem o que você está dizendo? O seu conteúdo inclui material multimídia? O projeto Arguments (http://www.arguments.es/) é um exemplo, com seus já famosos vídeos (http://www.youtube.com/user/catequesisarguments). 

Continuará.