52ª Assembleia Geral discute o papel das paróquias na missão eclesial

Tema central dá continuidade às questões das comunidades paroquiais discutidas na última Assembleia, em 2013

Brasília, (Zenit.org) Lilian da Paz | 519 visitas

Com o tema central Comunidade de comunidades: uma nova paróquia, dom Raymundo Damasceno, cardeal arcebispo de Aparecida (SP), abriu as atividades da 52ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil. São esperados 300 bispos de todo o Brasil para a realização das tarefas previstas até 9 de maio.

O tema proposto é o mesmo do ano passado e busca refletir sobre a missão desenvolvida pelas paróquias. O assunto vem sendo discutido com mais ênfase desde a Conferência de Aparecida, em 2007. Na última Assembleia, foi aprovado e enviado às comunidades paroquias um texto de estudo para receber contribuições. Nesta Assembleia, os bispos querem a aprovação de um documento sobre o tema.

No documento, o modelo paroquial busca uma renovação. “Queremos renovar as paróquias, tornando-as verdadeiros centros da vivência cristã e do amor fraterno. A renovação das paróquias permite que elas se tornem mais próximas das pessoas e se abram para a missão”, explica Dom Raymundo lembrando a exortação apostólica Evangelii Gaudium, do Papa Francisco, que pede a formação de uma estrutura paroquial simples e missionária. 

O tema central também traz a reflexão sobre a missão evangelizadora do leigo na sociedade. “A maioria do povo de Deus é constituída por leigos; cresceu a consciência da identidade deles na Igreja. Por isso, a Igreja do Brasil quer avaliar os caminhos dos leigos e apoiá-los no serviço da evangelização na sociedade, evitando um clericalismo que os põe à margem de decisões”, ressalta o cardeal.

Além do tema central, a Assembleia traz a questão da reforma agrária e das eleições deste ano. A reforma deverá ser discutida à luz do Evangelho: a Igreja quer contribuir com o desenvolvimento da justiça social no país, voltada para o bem comum. No caso das eleições, os bispos devem lançar subsídios e uma declaração sobre o momento político do Brasil.

No encontro dos bispos também será lançado o Diretório de Comunicação da Igreja do Brasil, após 13 anos de debates. Este é o segundo diretório de comunicação eclesial produzido no mundo; só há outro na Itália.