75% das vítimas de perseguição religiosa no mundo são cristãos

Daniel Arasa apresenta seu livro Cristãos, entre a perseguição e o mobbing

Madri, (Zenit.org) | 2180 visitas

“O cristianismo é hoje a religião mais perseguida do mundo. É uma verdadeira emergência humanitária, embora a maioria das instituições internacionais, governos e meios de comunicação silenciem”. Esta é uma das premissas defendidas pelo jornalista e professor da Universidade Abat Oliba, Daniel Arasa, em seu novo livro “Cristãos, entre a persecução e o mobbing”.

De acordo com o autor, o acosso à religião vem se manifestando nos últimos anos em duas modalidades. Em primeiro lugar, a perseguição aberta e sangrenta, que acontece em muitos países muçulmanos e em outros como a Índia. Em segundo lugar, o Ocidente está sofrendo, cada vez mais, um ataque contra a liberdade religiosa. Não há perseguição, mas, frequentemente, há “escárnio cultural e marginalização”.

O livro, publicado em espanhol, defende com clareza o direito à liberdade religiosa como um direito inato, que não depende de concessão pelos poderes públicos e que interessa tanto aos crentes quanto aos não crentes, já que estes também terão a sua liberdade garantida. Quando essa liberdade é violada, é sinal de que outras liberdades, como a de expressão, a de reunião e a de manifestação, também são afetadas, e não apenas no âmbito religioso.

O diretor da fundação católica Ajuda à Igreja que Sofre, Javier Menéndez Ros, apresentará o livro hoje, 28 de maio, na Faculdade de Humanidades e Ciências da Comunicação da Universidade San Pablo CEU, em Madri.