"A alegria nos torna livres"

Durante a missa em Santa Marta, papa Francisco lembra que é impossível anunciar o Evangelho se a pessoa está na tristeza ou desanimada

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) Luca Marcolivio | 1018 visitas

 A alegria é uma condição necessária para a proclamação do Cristo ressuscitado. Papa Francisco já manifestou este conceito em vários momentos desde o início do seu pontificado, e esta manhã o reiterou durante a homilia na Santa Marta.

O Papa concelebrou com o cardeal Jozef Tomko, o Arcebispo de Faridabad-Delhi, Kuriakose Bharanikulangara, e o Arcebispo de Belo Horizonte, Walmor Oliveira de Azevedo. Alguns funcionários participaram da missa, alguns dos Serviços Financeiros do Vaticano, acompanhados pelo diretor, Sabatino Napolitano, e alguns colaboradores da Guarda Suíça.

Papa Francisco observou como a palavra “alegria” aparece seja na Primeira Leitura de hoje (Sofonias 3, 14-17) que no Evangelho (Lc 1, 39-56): este último em especial mostra o encontro entre Maria e a sua prima Isabel, cujo filho “exulta de alegria” no ventre, ao ouvir as palavras da Mãe de Deus.

No entanto, a alegria não é algo tão óbvio na vida de tantos cristãos. "Não estamos mais acostumados a falar de alegria", e mais, “acredito que muitas vezes gostamos mais da reclamações”, destacou o Papa.

Neste sentido, o Santo Padre citou as palavras de seu predecessor Paulo VI que "dizia que não se pode levar adiante o Evangelho com cristãos tristes, desencorajados, desanimados”.

O autêntico “criador da alegria” é o Espírito Santo que “nos dá a verdadeira liberdade cristã”. Sem alegria, nós cristãos “não podemos nos tornar livres”, pelo contrário “nos tornamos escravos das nossas tristezas”, acrescentou. A tal ponto que muitos cristãos parecem “ir mais a uma procissão fúnebre” do que “louvar a Deus”.

O louvor a Deus, explicou depois o Papa, acontece quando se sai de si mesmo “gratuitamente, como é gratuita a graça que Ele nos dá”. Louvar a Deus, é algo maior do que um simples agradecimento e a eternidade consistirá precisamente no louvar a Ele: “E isso não será chato, será maravilhoso!. A alegria do louvor “nos faz livres”, acrescentou.

Modelo de alegria e de louvor a Deus é a Virgem Maria, que, não à toa, a Igreja chama “causa da nossa alegria”, porque “leva a maior alegria que é Jesus”, lembrou Francisco.

O Santo Padre concluiu sua homilia pedindo para "rezar a Nossa Senhora, para que trazendo Jesus nos dê a graça da alegria, da alegria da alegria”.

(Tradução Thácio Siqueira)