A arte sacra entre Fides et Ratio

Reflexões sobre o mais recente livro de Rodolfo Papa

| 1088 visitas

Por Tommaso Evangelista*

ROMA, segunda-feira, 28 de maio de 2012 (ZENIT.org) - A leitura da inseparável relação entre arte e fé e a análise das dinâmicas contemporâneas lançam nova luz sobre o hodierno sistema da arte e sobre a essência mais profunda da pintura, propondo uma saída e uma ajuda à liturgia.

Há pessoas que passam uma vida colocando livros em uma biblioteca e outras que colocam uma biblioteca inteira em um livro. Discursos sobre arte sacra (Edições Cantagalli 2012) de Rodolfo Papa se coloca nesta segunda categoria e é efetivamente uma summa do sistema da arte colocada ao serviço da arte sacra autêntica. Papa colocando a bom uso a rica experiência de vinte anos amadurecida em qualidade seja como historiador da arte, seja como artista e passeando entre filosofia, história, teologia e crítica de arte, tendo sempre como sólidos pontos de referência os textos do Magistério, cumpre um estudo tão singular como indispensável.  Singular porque dificilmente, na hodierna literatura sobre a arte, se encontra um volume que funde com lucidez uma leitura da condição atual com uma redescoberta, e atualização, dos escritos do passado; indispensável porque, evitando a estrada de redefinições intermináveis da arte prontas a partir dos saberes particulares, evitando assim ulteriores fragmentações teóricas, busca sair do relativismo presente para propor estáveis e lógicos modelos de referência . A estrutura escolhida para analisar tal complexo sistema é aquela do discurso, como gênero literário e  forma expressiva, que permite a focalização sobre diversos pontos e simultaneamente o avanço para um objetivo final que é a definição dos fundamentos da arte sacra. O vários capítulos afrontam diversas questões particulares e compreendem reflexões teóricas e exempla traçadas pela história da arte e que ajudam a contextualizar e definir os raciocínios. Grande atenção é reservada ao esclarecimento dos termos lingüísticos essenciais, indispensáveis na economia da análise, enquanto o uso abundante de citações, não como simples referências, mas como indicações funcionais ao texto, permite acompanhar a relação entre escrita e imagem na história do cristianismo e por outro lado conhecer os textos contemporâneos de estudiosos que, embora longe do cristianismo, chegam a intuir a solução do problema.

O objetivo do texto é definir a arte sacra e suas propriedades intrínsecas em uma época que não só perdeu o conceito de arte, tornando-o subjetivo e fluído, mas também a noção do Sagrado, uma verdadeira e real apostasia, para a qual Papa caracteriza origens e consequências. Assim pensando, o autor chega a propor uma definição geral, extraída de textos clássicos, que não apresenta como dogma, mas a insere na hodierna especulação demonstrando como é possível ainda refletir em termos positivos sobre o  estatuto epistemológico da arte: ars est recta ratio factibilium. Esta enunciação é a premissa para a descoberta de pelo menos quatro características fundamentais da arte sacra (de modo especial da arte da pintura): universalidade, beleza, figuratividade e narratividade.

Papa no Discurso sobre Artes, muito inteligentemente, depois de analisar diversas contribuições de teóricos e críticos atuais (Warburton, Shiner, Danto, Belting, Didi-Huberman), mostrando as dificuldades em chegar a instruções estáveis e abrangentes, oferece a célebre frase de São Tomás, para a qual a arte é a correta razão das coisas a serem feitas (“recta ratio”)  e declina ao plural o problema: "se o termo arte é declinado ao plural como um gênero que compreende várias espécies, o problema da sua definição aparece resolúvel, também nas situações contemporâneas". Nesta ótica, as "espécies" da performance ou das instalações ou ainda da body art  terão necessidades de um próprio estatuto e de regras peculiares que alguém deverá fornecer e assim garantirão, por diversidade, a identidade e a sua definibilidade, por exemplo pintura, e a possibilidade de afirmar o que é arte e o que não é. Observando o sistema deste ponto de vista, além disso, a chamada arte "contemporânea" com seus rituais de produção e fruição aparece agora cristalizada e a aparente multiformidade se demonstra já codificada e globalizada pelo mercado que, a partir da Pop Art, é  expressão vazia desta aparente criatividade.

Naturamente nem todos os gêneros podem estar a serviço da Igreja e com cautela Papa muitas vezes em vários capítulos detem-se sobre intrínsecas diferenças e seus perigos. Revivals diatópicos e diacrônicos, utópicos e  ucrônicos, a recuperação do "pensamento selvagem" e de um primitivismo original, instâncias liberais, libertinas e neo-pagãs, a busca do irracionalismo e do esoterismo são estradas buscadas do Iluminismo em diante com o objetivo de introduzir formas criadas por diferentes sistemas de arte para arrombar a estrutura do interior e discristianizar a arte. Diferente da recuperação da cultura greco-romana no Renascimento, que buscou cristianizar os elementos pagãos, o anacronismo próprio de diversas vanguardas históricas não tem relações com a Igreja, e usa de uma cultura arcaica e uma visão distorcida do sagrado.

Interessante e original, o Discurso sobre a luz mostra como na arte contemporânea se passou "de uma visão metafísica a uma materialista» também por culpa do abandono e/ou do excesso de luz. Se em pintura a claritas, a clareza e esplendor, cede lugar às cores, ou à matéria que não comunica mais visões celestes mas sempre mais se aproxima à baixeza do homem, em arquitetura acontece o contrário e o excesso de limunosidade conduz a uma desmaterialização que rejeita a dimensão criatural da realidade.

Indispensável, o Discurso sobre imagens e sobre o corpo parte de um paradoxo: enquanto se vive em uma  "sociedade da imagem" a imagem (e o corpo) muitas vezes estão ausentes também no ambiente litúrgico, onde mais do que nunca é reivindicada a sua presença enquanto a religião cristã começa propriamente com o encontro com a corporeidade de Cristo, de Deus feito homem.

A única imagem que se aceita bem atualmente é aquela tecnológica que tem efeito muito menos dispendioso. A imagem revestida ou manufaturada, tecnicamente perfeita ("Photoshapada"), fala-nos de um mundo que perdeu a busca de uma experiência interior, que rejeita a complexidade e a abertura que apenas uma arte que visa superar os limites de imitação pode garantir. Nesta ótica deve-se rejeitar a fotografia, enquanto invasão excessiva do real que anula a mediação pessoal e de consequência o hiperrrealismo: diferente da prospectiva criada para representar o mundo e as histórias sagradas, educando o senso de visão, a imagem hodierna aparece desencarnada e não adequada à devoção.

É fundamental a recuperação da beleza que Papa considera nos termos ontológicos  de "transcendente": a beleza é a perfeição,  harmonia e esplendor (integritas, proportio e claritas)  e está associada à bondade e ao bem. A beleza transcende o homem e é capaz de lhe revelar algo da realidade, neste sentido comunica também a verdade; o homem, por sua parte, é naturalmente inclinado a acolhê-la e a encontrá-la. Também a arte, especialmente se serve à liturgia, não pode prescindir da beleza, dado que as obras de arte sacra devem expressar a infinita beleza divina e levar as almas para Deus. Eu recuso assim as atuais concepções relativistas de beleza (beleza como ausência, como desarmonia, como estranheza) ou as estéticas do feio, porque, como não existe um mal absoluto, porque mal é a falta de um bem, assim, não pode existir nenhuma feiúra absoluta que é a perda do belo ou o seu não perfeito desenvolvimento.

O discurso sobre arte sacra  é a conclusão dos discursos precedentes porque evidenciar a centralidade das imagens sacras apresenta-se cada vez mais fundamental em uma sociedade "líquida" e "neotribal" que perdeu qualquer ligação com o transcendente. Como escreveu Joseph Ratzinger a crise de arte é um "sintoma da crise existencial da pessoa" e, portanto, colocar alguns pontos certos em um momento tanto confuso não é senão um fator positivo. O capítulo é muito complexo e explicativo graças à referência constante aos textos do Magistério dos quais emerge claramente como a arte deve celebrar a infinita beleza divina colocando-se ao serviço da liturgia, iluminada pela fé, evitando simbolismo excessivo e o realismo exagerado.

A Arte Sacra, ao contrário das mais variadas expressões criativas que parecem durar o tempo de exposição em um contexto saturado de novidades e provocações, é sempre viva e se renova continuamente no sulco da Tradição. Dadas aquelas características fundamentais e imprescindíveis: a universalidade, a beleza, a figuratividade e a narratividade, a liberdade do artista (de fé) é muito ampla. Papa, um verdadeiro artista ao serviço da Igreja, nos mostra  com este texto que há estradas ainda transitáveis e como é  irracional falar de "morte da arte". E também no hipotético caso que todo este saber venha a cair e que a dimensão do sentimento, do instinto, da arbitrariedade substitua o relacionamento fecundo entre Fides e Ratio. Citando o parágrafo A arte na espiritualidade em referência à imagem da Divina Misericórdia, é confortante saber que há um Outro, além das críticas e teorias, que continua a se comunicar através das imagens.

*Tommaso Evangelista é historiador e crítico de arte, jornalista cultural, especialista em didática de museu.

[Tradução Ir. Patricia Souza, pmmi]