A arte salva a arte - Festival Internacional de Música e Arte Sacra

Festival Internacional de Música e Arte Sacra

| 1439 visitas

ROMA, 6 de novembro 2011 (ZENIT.org) – A arte, a igreja e a história se encontram, como descrito pelo Vigário Geral de Sua Santidade, Cardeal Comastri, na programação entregue aos participantes deste belíssimo evento na Cidade Eterna.

O Festival Internacional, em sua X edição, é um importante evento da capital que proporciona ao grande público, turistas e cidadãos romanos, a possibilidade de participar à concertos de Música Sacra, organizados pela Fundação Pro Música e Arte Sacra, nas Basílicas Papais Romanas. O evento se encerra neste domingo, na Básilica de Santo Ignácio de Loyla,com missa celebrada por sua Eminência, Cardeal Angelo Comastri e a apresentação do coro de vozes Bianche Tolzer Knabenchor da Alta Baviera, conhecido a nível internacional com repertório que vai desde música de coral secular, sacra ao lírico. Este ano o Festival é dedicado à Maria, recordando o Concílio de Éfeso. Um Concílio eminentemente Mariano, como recordado pelo Vigário Geral de Sua Santidade.

O Cardeal lembrou do Concurso realizado no ano de 1950, aberto à todos os artistas do Continente, para escolher a bandeira da futura Comunidade Européia.

" Um jovem pintor (ainda jovem, evidentemente!) chamado Arsène Heitz participou com um esboço muito original, no qual doze estrelas brancas se destacavam em círculo sobre um fundo azul. Como nasce essa idéia? O próprio autor revelou ser um grande devoto de Nossa Senhora e que rezava o rosário todos os dias.Quando soube do concurso europeu, ele estava lendo a história de Santa Catarina de Labouré e fascinado pelas histórias das aparições Marianas, queria procurar para ele e para sua esposa a "Medalha Milagrosa". Nesta medalha ele viu a imagem de Maria e aquelas doze estrelas, que tanto o impressionou a ponto de...terminar no esboço da bandeira da Comunidade Européia.-e continua sua Eminência- E o que acontece? Entre milhares de propostas, e por surpresa do próprio Arsène Heitz que tinha participado sem criar -se grande ilusão, o "Conselho Europeu" escolheu o esboço dele. Vale a pena destacar que o responsável pela Comissão julgadora era um ebreu: Paul M.G. Lévy, Diretor de imprensa e informação do "Conselho Europeu". O que demonstra que a escolha não foi por motivos confessionais, mas com absoluta liberdade de opinião da Comissão.

 "Enquanto a Europa vive dias difíceis e confusos, desejo colher uma delicada flor do terreno da rescente história da Europa:me parece um "sinal" que convida à esperança"-comentou- E em relação a Constituição Eropéia que negou qualquer referência  à raíz cristã (historicamente inegável!), aos signatários esquecidos é obrigatório recordar que estes assinaram sua Constituição do ano de 2004...nascimento de Jesus Cristo da Virgem Maria: ao menos na "data" os constituintes europeus foram forçados, a despeito de si mesmos, a reconhecer a raíz cristã da Europa"!

 E conclui -" O Festival Internacional de Música e Arte Sacra desperte em todos nós sentimentos sinceros de devoção à Mãe do Senhor: Maria, certamente saberá nos conduzir pela estrada de Jesus, para sermos hoje na nossa Europa "Lâmpadas" que brilham com a luz do evangelho".