A Colômbia retoma os diálogos de paz com as FARC em Havana

Os superiores religiosos do país, em assembleia, refletirão sobre as conversações em andamento

Roma, (Zenit.org) Sergio Mora | 269 visitas

O governo da Colômbia retoma hoje a terceira rodada de conversações de paz com o grupo guerrilheiro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, as FARC. Em pauta, o complexo tema das drogas ilícitas, muito delicado para um movimento armado que se financiou com o dinheiro das plantações de coca. Uma delegação partiu ontem de Bogotá e chegou à capital cubana para o encontro.

O vigésimo ciclo de negociações terminou no último dia 6 de março em meio a um clima tenso, devido a críticas recíprocas. O ciclo que começa agora também já está marcado pelo mal-estar provocado pela guerrilha, que recentemente sequestrou, torturou e assassinou dois policiais.

Por sua vez, o vice-presidente colombiano Angelino Garzón, afirmou, em uma carta aberta, que o comportamento das FARC "continua sendo contraditório, porque, enquanto falam de paz em Havana, assassinam humildes policiais na Colômbia". Garzón declarou ainda que, "se a guerrilha das FARC realmente quer uma mudança voltada para a paz, tem que demonstrar isso com fatos de paz e não de violência".

No próximo dia 24 de maio, a Colômbia vai às urnas. Óscar Iván Zuluaga, o candidato presidencial do partido do ex-presidente Álvaro Uribe, o Centro Democrático, pediu que o atual presidente Santos "suspenda de maneira imediata as negociações", afirmando que "só é possível negociar quando existe verdadeira vontade de paz".

Enquanto em Cuba se tenta avançar no acordo de paz, acontece nos dias 22 e 23 de março a LIII Assembleia Geral Ordinária de Superiores Maiores de Religiosos. Eles refletirão neste encontro sobre os diálogos e sobre o processo que vem se desenvolvendo em Havana.

De acordo com a convocatória, o congresso tem como tema “Betânia, lugar de humanização, fonte de reconciliação e de paz” e propõe analisar e refletir sobre o compromisso de "ser ativos protagonistas na construção de uma paz estável e duradoura".

Ao mesmo tempo, chega ao fim o ano jubilar do 450º aniversário de Bogotá, com a santa missa presidida na próxima segunda-feira, 24, pelo cardeal Rubén Salazar Gómez. Os festejos contarão com a presença da imagem do Senhor de Monserrat, que chega à capital colombiana neste sábado, 22 de março, pela quinta vez em 394 anos. O povo rezará pedindo a Deus a graça da paz para a Colômbia.

O lema do encerramento do jubileu, de acordo com as informações da arquidiocese de Bogotá, é "Testemunhas do Amor de Cristo". Será apresentada uma intenção especial a cada dia, com diversas celebrações na catedral: neste sábado, 22 de março, os fiéis serão convocados à reconciliação através do sacramento da confissão; à noite, haverá uma grande vigília de oração a cargo da Renovação Carismática Católica. No domingo, 23 de março, a catedral será o cenário de uma jornada eucarística. Em todas as paróquias, na segunda-feira, dia 24 de março, será celebrado o envio das testemunhas do amor de Cristo para evangelizar, no contexto da primeira etapa do Plano de Evangelização (Plano E), chamada de “Grande Giro”.