A Copa no Brasil: o jogo da vida não admite espectadores

Os bispos pedem para não centrar-se nos lucros, advertem contra o turismo sexual, pedem para defender a dignidade e a pessoa e criticam a "institucionalização da exceção'

Roma, (Zenit.org) Sergio Mora | 538 visitas

A Igreja no Brasil distribuiu nos últimos dias um Folder sobre a Copa do Mundo. Baseia-se no documento intitulado "Playing for Life", escrito no mês passado pelo Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), onde indica que “a Igreja no Brasil continua com carinho e preocupação materna este grande evento que envolve vários países e protagonizará uma oportunidade de amizade universal".

O folder que também está no site da conferência dos bispos tem três cartões: um vermelho, mais de caráter social; um azul, intitulado ‘O gol da vitória’ de aspectos positivos; e o amarelo que aponta os compromissos da Igreja, incluindo o combate contra o turismo sexual e o respeito à dignidade humana. E três números telefônicos gratuitos: para denunciar violações dos direitos humanos, apoio às mulheres e de emergência da polícia.

Manifesta também a sua solidariedade com aqueles que, devido à construção das obras, foram feridos em sua dignidade e que perderam entes queridos, porque comunidades inteiras foram deslocadas para construir estádios e obras estruturais.

"O sucesso da Copa do Mundo não é medido pelos valores injetados na economia local ou os benefícios que proporcionam aos seus patrocinadores", indicam. E concluem que "o seu sucesso será garantir a segurança de todos, sem o uso da violência, respeitando o direito das manifestações de rua pacíficas, com a criação de mecanismos para evitar o trabalho escravo, o tráfico de pessoas e a exploração sexual, especialmente de pessoas socialmente vulneráveis, assim como a luta eficaz contra o racismo e a violência".

Os bispos convidaram assim a sociedade brasileira a unir-se ao projeto “Copa da Paz” e à campanha “Playing for Life” e a denunciar o tráfico de seres humanos, de modo que o evento seja "lembrado como um momento de fortalecimento da cidadania".

Ainda no Brasil, e mais especificamente contra o turismo sexual, está a campanha 'Joga pela vida, denuncie o tráfico de Pessoas’ promovida por Talitha Kum – a Rede Internacional da Vida Consagrada contra o Tráfico de Pessoas e apresentado em maio na sala de imprensa da Santa Sé.

Talitha Kum são as palavras em aramaico, a língua falada por Jesus e relatadas pelo Evangelho de são Marcos, com as quais o Divino Mestre pegando a mão de uma pequena lhe diz: ‘Menina, eu digo a você, levante-se’.

O cardeal brasileiro João Braz de Aviz, durante a coletiva de imprensa afirmou que “esta campanha manifesta a sintonia da vida consagrada com o sentimento do Santo Padre com este crime que ele mesmo definiu como a ‘chaga no corpo da humanidade contemporânea, uma chaga na carne de Cristo”. (Trad.TS)

Leia o texto completo clicando aqui