A família, entre o papa Francisco e Santa Clara de Assis

Um comovente testemunho medieval sobre o compromisso da fundadora das clarissas com a unidade matrimonial e com a abertura para a vida

Roma, (Zenit.org) | 466 visitas

O papa Francisco convocou para outubro de 2014 a Terceira Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos, a fim de enfrentar os desafios pastorais para a família no contexto da evangelização. Como é destacado no documento preparatório que acaba de ser lançado, há questões particularmente importantes a ser abordadas, como a fidelidade na unidade matrimonial e a abertura à vida.

Séculos antes, estes mesmos dois aspectos foram promovidos por Santa Clara de Assis, como fica evidenciado no processo de canonização ocorrido poucos meses depois da sua morte, em novembro de 1263.

Foi resgatado e divulgado recentemente um dos depoimentos do processo. Foi feito por um homem que, graças à intervenção de Clara de Assis, voltou a viver com a esposa após 22 anos de separação. A união restabelecida foi coroada, ainda, pelo nascimento de um filho, que se tornou fonte de felicidade para ambos.

Reproduzimos o depoimento original, em dialeto italiano da época e seguido da respectiva tradução em português atual.

Nella chiesia de Sancto Paulo de Assesi […] messere Ugolino de Pietro Girardone cavaliere de Assesi, giurando sopra la vita, conversione, conversatione et miraculi, li quali se dicono essere facti per li meriti de la sancta memoria de la madonna Chiara, disse […], che havendo epso testimonio lassata la sua donna, chiamata Guidutia, et havendola remandata ad casa del padre et dela madre sua, et essendo stato per tempo de vinte doi anni et più sença lei, et non potendo mai essere inducto da persona che la volesse remenare et recevere, ben ché più volte ne fusse stato admonito etiandio da persone religiose; finalmente li fo dicto per parte de la sopra dicta sancta madonna Chiara, como lei haveva inteso in visione che epso messere Ugolino la deveva presto recevere, et de lei generare uno figliolo, del quale se doveva molto ralegrare et haverne consolatione. Unde epso testimonio, udito questo, li recrebbe assai. Ma de po pochi dì fo constrecto da tanta voluptà, che remenò et recevé la dicta sua donna, la quale tanto tempo innanti haveva lassata. Et poi de lei, come era stato veduto in visione da la sopra dicta madonna sancta Chiara, generò uno figliolo, lo quale ancho vive, et epso molto se ralegra et hanno grande consolatione.

“Na igreja de São Paulo de Assis [...] o senhor Ugolino de Pietro Girardone, cavaleiro de Assis, jurando pela própria vida e conversão e pelas palavras e milagres que supostamente recebeu por mérito da santa memória da senhorita Clara, relatou que abandonou sua mulher, chamada Guidutia, e a devolveu à casa de seus pais, permanecendo durante vinte e dois anos sem ela e recusando-se a recebê-la de volta, apesar dos muitos conselhos de pessoas religiosas. A mencionada senhorita Clara lhe revelou ter tido uma visão, segundo a qual o senhor Ugolino receberia a esposa de volta e teria com ela um filhinho, que muito os alegraria e lhes traria consolação. Segundo o mesmo testemunho, após ouvir isso, ele continuou a recusar-se. Poucos dias depois, no entanto, empurrado por intensa moção, recebeu de volta a mulher que tanto tempo antes havia largado. Depois, como previsto em visão pela mencionada senhorita santa Clara, gerou da esposa um filho, que também vive e pelo qual muito se alegram, obtendo grande consolação”.