A força da experiência de Deus

450 anos da Reforma do Carmelo Teresiano

| 1033 visitas

ROMA, quinta-feira, 23 de agosto de 2012 (ZENIT.org) - Amanhã, sexta-feira, 24 de agosto, comemora-se o 450º aniversário do primeiro mosteiro fundado por Santa Teresa de Jesus, o de São José de Ávila, e com ele o início da Reforma Teresiana do Carmelo. O calendário das celebrações prevê a presença do cardeal Antonio María Cañizares, prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, que foi bispo da diocese de Ávila de 1992 a 1996.

Em vista da celebração - revela o site da Ordem - foram organizados ao longo dos últimos meses, em torno do convento das Irmãs de São José, muitos eventos de caráter religioso, espiritual, cultural e de divulgação, entre os quais, apresentações de livros, conferências, exercícios espirituais e foi aberto também o Ano Jubilar concedido pela Santa Sé.

Por sua parte, o Superior Geral dos Carmelitas Descalços, Pe. Saverio Cannistrà, enviou uma mensagem a toda a Ordem recordando a importância do 450ª aniversário do começo da Reforma Teresiana.

Não é apenas uma celebração destacada no calendário - sugeriu o religioso -, mas uma oportunidade para toda a Ordem pegar o caminho que "Teresa percorreu e continuou a percorrer até o último dia da sua vida, o caminho do mistério pascoal”, um caminho que “só é possível começar quando se experimentou que todos os outros caminhos são becos sem saída que se perdem no nada”.

Para o Pe. Cannistrà, é "um caminho de fundação constante", "que tem como fundamento a oração e como alforje a perda de si mesmo, e por isso assemelha-se com o caminho dos discípulos de Jesus, chamados a abandonar tudo para ir atrás de quem eles acreditam e esperam tudo.”

Escreveu padre Cannistra que, para levar adiante o projeto da sua Reforma, Santa Teresa usou “a força da experiência de Deus e a força da paixão por uma Igreja e um mundo que passava por uma grande turbulência", e convidou todos os membros da Ordem a descobrirem em si mesmos a coragem para percorrerem este mesmo caminho Teresiano.

Depois da celebração em 1962 do quarto centenário da Reforma Teresiana - "no limiar do Concílio Vaticano II" – houve grandes mudanças. “Somos conscientes – escreve o Superior Geral – que nem toda mudança expressou a criatividade do carisma, nem toda vontade de conservação foi manifestação de fidelidade autêntica”.

No final da sua mensagem, o padre Cannistrà lembra que "é o pouco e o pequeno, para não dizer o nada, que Deus cria o tudo”. E conclui assim: nós temos o dever de sermos testemunhas, como Teresa o foi, a partir daquele distante e próximo 24 de agosto de 1562”.

A celebração do 450 º aniversário da fundação do mosteiro de São José em Ávila começou no domingo 19 de agosto com a transferência, em procissão, para o convento das Irmãs, de uma estátua barroca da Santa, venerada na capela do seu nascimento na igreja do convento de Santa Teresa de Ávila, construído no século XVII sobre a casa natal.

Exposta à veneração dos fiéis está também a relíquia do "pé de Santa Teresa", trazida de Roma para a ocasião. A relíquia está colocada na igreja de Santa Maria della Scala, no bairro Trastevere.

Terça - feira, 21 de agosto começou também um tríduo solene presidido pelo padre Francisco Brändle, prior do Convento da Santa em Ávila. O Pe. Miguel Márquez, provincial dos Carmelitas descalços de Castilla, presidiu o evento ontem. Hoje foi o vigário geral da Ordem, Emilio J. Martínez.

Finalmente, amanhã, sexta-feira, 24 de agosto, dia da festa de São Bartolomeu Apóstolo, o cardeal Antonio María Cañizares, prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, presidirá uma Solene Eucaristia. Após a Missa, a estátua de Santa Teresa será devolvida ao Convento, em procissão, pelas ruas da cidade.

Trad.TS