A Igreja é uma mãe que só quer o bem dos filhos

Audiência geral: papa Francisco lembra que os dez mandamentos não são um "conjunto de nãos" e nos convida a "enxergá-los positivamente"

Roma, (Zenit.org) Luca Marcolivio | 813 visitas

Durante a audiência geral de hoje, na Praça de São Pedro, dando continuidade ao ciclo de catequeses sobre o mistério da Igreja, o papa Francisco voltou a mencionar a imagem da "Igreja Mãe", já evocada na homilia de ontem na Casa Santa Marta.

“Eu realmente gosto dessa imagem”, disse o papa, “porque acho que ela não nos diz apenas como é a Igreja, mas também qual é o rosto que a Igreja deveria ter cada vez mais”.

O papa sublinhou alguns princípios que devem animar a educação dos filhos pela mãe. Primeiro, "ela ensina a caminhar pela vida", apontando o "caminho certo com ternura, com amor, com amor sempre, mesmo quando tenta endireitar o nosso caminho, porque saímos um pouco da rota na vida ou porque andamos na direção do abismo".

Toda mãe sabe também o que é importante para uma criança, não porque ela "aprendeu nos livros", mas porque "aprendeu com o coração".

A Igreja, como mãe, orienta os filhos na vida mediante ensinamentos baseados nos dez mandamentos, que também são "fruto da ternura, do amor de Deus, que os deu a nós". Há quem argumente que eles são apenas "comandos" ou “um conjunto de nãos", mas o papa nos convida a "enxergá-los positivamente".

Entre outras coisas, os dez mandamentos nos convidam a "não criar ídolos materiais que nos escravizam, a nos lembrar de Deus, a ter respeito pelos pais, a ser honestos, a respeitar uns aos outros": são ensinamentos que a mãe normalmente transmite aos filhos. "Uma mãe nunca ensina o que é ruim; ela só quer o bem dos filhos. Assim também a Igreja", acrescentou o Santo Padre.

Mesmo quando o filho "cresce" e "assume as suas responsabilidades", a mãe continua a acompanhá-lo "com discrição", e , quando ele erra, "ela sempre encontra um jeito de entender, de estar perto, de ajudar".

A mãe sabe “dar a cara a tapa” pelos filhos, disse Bergoglio, usando a expressão popular. “Se eles acabam na cadeia, por exemplo, as mães não perguntam se eles são culpados ou não, mas continuam a amá-los e muitas vezes sofrem humilhação, mas não têm medo, não deixam de se entregar por eles".

A Igreja também é uma "mãe misericordiosa" para com os filhos que “erraram e erram” e , sem os julgar, lhes oferece o "perdão de Deus". A Igreja não tem medo de entrar “na nossa noite, no escuro da nossa alma e consciência, para nos dar esperança".

A Igreja, enfim, como todas as mães, "também sabe pedir, bater em todas as portas pelos filhos, sem calcular, só por amor", especialmente orando a Deus, “especialmente pelos mais fracos ou pelos que trilharam os caminhos mais perigosos e errados”. A este propósito, o papa citou o exemplo de Santa Mônica e das suas muitas orações e lágrimas pelo filho Agostinho, até que ele se tornou santo.

"Penso em vocês, queridas mães: quanto vocês oram pelos seus filhos, sem se cansar! Continuem a rezar, a confiar os seus filhos a Deus, que ele tem um grande coração! Batam na porta do coração de Deus com a oração pelos filhos" , exortou o pontífice .

Também a Igreja ora pelos seus filhos em apuros: vemos nela "uma boa mãe que nos mostra o caminho a seguir na vida, que sempre sabe ser paciente, compassiva, compreensiva, e sabe como nos colocar nas mãos de Deus", concluiu o papa.