A Igreja na Bolívia desmente a excomunhão de quatro ministros

Excomunhão exige um processo sério

Madri, (Zenit.org) Redacao | 387 visitas

A Conferência Episcopal da Bolívia (CEB) esclarece que a notícia da excomunhão de quatro ministros do país não é verdadeira. ZENIT contatou por telefone o porta-voz da conferência, José Rivera, que nos encaminhou o comunicado oficial dos bispos bolivianos sobre o assunto.

CEB: Esclarecimento necessário à honra da verdade

A Conferência Episcopal Boliviana – CEB desmente a manchete publicada pelo jornal Página Siete, que anuncia uma suposta excomunhão de autoridades governamentais. A manchete não tem relação com o conteúdo da nota publicada pelo jornal. Ao mesmo tempo, a CEB lamenta a confusão, a polêmica e o mal-estar desnecessários que esta informação errônea possa ter provocado na opinião pública nacional e internacional, criando uma polêmica entre Igreja e governo que parece armada pelo meio de comunicação.

1. A informação difundida pelo jornal Página Siete na manchete publicada no dia de hoje [19 de agosto, ndr] é errônea e não corresponde à realidade do pensamento e das declarações dos pastores da Igreja na Bolívia.

2. Demonstra ignorância e desconhecimento das normas e procedimentos pelos quais a Igreja católica se rege nesta matéria.

3. Manifestamos em reiteradas oportunidades que qualquer pessoa que se considera católica e que manifesta a sua aprovação ao aborto não é coerente com a sua fé e não está em comunhão com o ensinamento do Evangelho e da Igreja. Esta afirmação corrobora o compromisso e o testemunho cristão que cada católico deveria manter no seu agir público e privado, mas, de maneira nenhuma, dá por consumada uma decisão de excomunhão.

4. A missão fundamental da Igreja católica na sociedade não consiste em se concentrar em medidas punitivas, mas em pregar o perdão e a reconciliação, como afirma a nota a que aludimos. Esta posição é amplamente respaldada pelas diversas intervenções e mensagens dos bispos bolivianos.

5. Uma medida extrema, como é a de declarar a excomunhão de alguém na Igreja, pressupõe um processo sério e responsável de análise, investigação e consultas, que devem ser divulgadas por meio de documentos oficiais e de autoridades competentes, procedimentos que não aconteceram de maneira nenhuma no caso que nos ocupa.

A Igreja católica continuará fiel à sua missão, promovendo a vida desde a sua concepção até a morte natural, e denunciando toda ameaça em ações e normas contrárias a este direito sagrado e fundamental para a convivência da nossa sociedade.

Secretaria Geral da Conferência Episcopal Boliviana

Cochabamba, 19 de agosto de 2013.