A Igreja se destaca na assistência aos deficientes visuais

Encerrado na Itália o encontro Rabboni, que eu volte a enxergar (Mc 10,15)

| 636 visitas

CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 10 de maio de 2012 (ZENIT.org) - A Igreja, com sua presença local e missionária, se destaca na assistência e na promoção social e econômica dos deficientes visuais, concluiu a Conferência Internacional de Estudos “Rabboni, que eu volte a enxergar” (Marcos 10,15), realizada no último fim de semana na Sala Pio X, em Roma.

Foram dois dias de aprofundamento pastoral e científico organizados pelo Conselho Pontifício para a Pastoral da Saúde e pela Fundação Bom Samaritano, que pertence ao mesmo dicastério, em colaboração com a organização CBM Itália.

O encontro destacou a ação de equipes eclesiais que têm trabalhado não apenas no âmbito espiritual, mas também na educação e na formação dos deficientes visuais e dos profissionais de saúde locais que lidam com eles. Trata-se de esforços de dioceses, congregações e instituições religiosas em geral, organizações não-governamentais e associações de cooperação, envolvidos em projetos que ajudam o deficiente visual e são ajudados por eles a viver a plenitude da vida.

A Fundação Bom Samaritano está fazendo uma pesquisa estatística sobre os projetos da Igreja que já estão em ação nesta área. Há 40 projetos sendo analisados, que atingem milhares de pessoas e suas comunidades. Em geral, são ações que contam como o apoio de órgãos governamentais e de ONGs.

O encontro abordou também a grave escassez de pessoal médico e de especialistas de enfermagem nos paísesem desenvolvimento. Senos EUA e na Itália estima-se que há um oftalmologista para cada doze mil habitantes, há situações como a da Etiópia em que a proporção cai para um profissional para cada milhão de pessoas.

O encontro, ocorrido entre 4 e 5 de maio, recebeu cerca de 300 pessoas de 45 países dos cinco continentes. Além das contribuições dos palestrantes, os participantes puderam apreciar um concerto musical com peças clássicas e contemporâneas executadas por artistas cegos. Entre eles, o pároco pianista Gerardo Balbi, italiano, e dois músicos de Taiwan vindos especialmente para o evento: Lin Chang-Phin, que toca saxofone e clarinete, e Chien-Chou Yu, pianista.
 
Para mais informações: Conselho Pontifício para a Pastoral da Saúde
http://www.holyseeforhealth.org

E-mail: comunicazioni@hlthwork.va