A Igreja se une em oração pelo novo papa

Representantes dos diversos movimentos mostram sua adesão e prometem orar por Francisco

Roma, (Zenit.org) Rocio Lancho García | 892 visitas

Domenico Sorrentino, bispo de Assis, enviou uma mensagem ao novo papa em que lhe “oferece um grande abraço, afetuoso e filial, e o saúda com alegria”. “Estamos contigo, querido Santo Padre. Tu és Pedro! Estamos contigo como a única Igreja de Jesus, nosso Senhor e Salvador”. A mensagem garante: "nós te seguiremos, no afeto e na obediência".

Os irmãos franciscanos de Assis dão glória a Deus e se alegram pela eleição do sumo pontífice Jorge Mario Bergoglio. A família franciscana, diz o comunicado, abraça o santo padre com sentimentos de gratidão, sincero afeto e profundo respeito. "Neste Ano da Fé, acompanhamos o início do seu ministério com oração incessante".

A Renovação Carismática na Itália, através do seu responsável nacional, Salvatore Martínez, declara que foi “uma grande emoção ver o papa Francisco inclinar-se diante do povo de Deus pedindo oração e fazendo toda a Igreja rezar”. Um jesuíta, continua Martínez, “que coloca o mundo inteiro no seguimento das pegadas de Francisco, o grande evangelizador que fascinou o mundo com a marca da alegria e da pobreza de espírito. Uma marca promovida pela América Latina, continente da esperança”.

O prelado de Opus Dei, Javier Echevarría, também enviou suas palavras ao romano pontífice Francisco, contando que "desde o momento em que vimos a fumaça branca, nós o acolhemos com profunda gratidão. Agora, seguindo o exemplo de Bento XVI, lhe manifestamos uma incondicional veneração e obediência". Echevarría prossegue: “Todos nos confiamos à oração de Sua Santidade para contribuir eficazmente, com alegre disponibilidade, na tarefa de evangelização que o papa mencionou na sua primeira saudação à Igreja. E, como sempre aconselhou São Josemaría Escrivá, peço hoje a Nosso Senhor, de uma forma muito especial, que todos nós, cristãos, tenhamos ‘uma só vontade, um só coração, um só espírito’; todos, unidos ao papa, vamos a Jesus por meio de Maria".

Maria Voce, presidente do movimento dos Focolares, declara que, "junto com toda a Igreja, estou verdadeiramente feliz neste momento que nos mostra tanto a vitalidade da Igreja quanto o frescor do Espírito Santo, que sempre encontra um modo de nos surpreender". Maria Voce afirma que "é muito significativa a escolha do nome Francisco, porque me parece expressar o desejo de um retorno à radicalidade do Evangelho, a uma vida sóbria, a uma grande atenção pela humanidade e por todas as religiões".

Os responsáveis pelo Caminho Neocatecumenal, Kiko Argüello, Carmen Hernández e Mário Pezzi, em seu comunicado sobre a eleição do cardeal Jorge Mario Bergoglio como novo papa, afirmam que "o papa Francisco é uma grande esperança para a Igreja". "Temos a certeza de que é um papa providencial para estes nossos tempos e que levará o Evangelho de forma incansável a todo o mundo". E acrescentam que ele sempre esteve próximo do Caminho e lhes demonstrou afeto e apoio. Terminam dizendo que "todas as pessoas do Caminho Neocatecumenal rezam por ele e pelo seu pontificado".

A família eclesial da Institução Teresiana, através da diretora geral, Maité Uribe, afirmou em seu site que está “unida aos crentes e aos homens e mulheres de boa vontade” e que “saúda e acolhe o novo bispo de Roma, papa Francisco. O cardeal argentino Jorge Bergoglio foi o eleito”.

De Santiago do Chile, onde está fazendo uma visita à instituição, a diretora Uribe enviou sua mensagem ao novo pontífice: "Nossa cordial saudação de boas-vindas ao novo Bispo de Roma, S.S. Francisco. Queremos lhe apresentar os nossos desejos de uma Igreja aberta, dialogante, corresponsável, arraigada no Evangelho, capaz de transmitir a jovens e adultos o testemunho da busca incansável de um Deus amor, encarnado em Jesus". E conclui: "Como associação internacional de leigos, e com a responsabilidade que a nossa vocação batismal nos traz, sentimos o chamamento a impulsionar a ação evangelizadora da nossa presença nas realidades sociais, profissionais e familiares em que vivemos e agimos, e a gerar a irmandade, sinal profético do reino, que nos sustenta e nos anima na missão".