A importância da Jornada do Papa com os universitários

Fala o jovem brasileiro que dará o testemunho no evento do próximo sábado

| 1127 visitas

Por Alexandre Ribeiro

SÃO PAULO, terça-feira, 26 de fevereiro de 2008 (ZENIT.org).- No próximo sábado, 1 de março, será celebrada a Jornada Universitária da Europa e da América, evento que reunirá, via teleconferência, Bento XVI com universitários de diferentes partes do mundo.

A participação brasileira se dará do Santuário de Aparecida (167 km de São Paulo). Palestras, músicas e outras atividades marcarão o dia de festa e oração junto do Papa. Zenit entrevistou o jovem brasileiro que dará o testemunho que será transmitido na teleconferência com o pontífice.

Daniel Fassa Evangelista, 22 anos, cursa o 4º ano de graduação em Jornalismo, na Escola de Comunicações e Artes da USP (Universidade de São Paulo).

--Que testemunho você pretende dar aos jovens europeus e americanos reunidos com o Papa no dia 1 de março para a Jornada Universitária?

--Daniel Fassa Evangelista: Quando entrei na USP, em 2005, tive a graça de conhecer, através de amigos, um grupo de estudantes católicos que se reuniam semanalmente para meditar sobre o evangelho, à luz da espiritualidade do Movimento dos Focolares. Nossas reuniões são um espaço para troca de experiências, uma forma de darmos força uns aos outros na vivência do evangelho em um ambiente relativista e muitas vezes hostil a qualquer expressão da fé. Alguns integrantes do nosso grupo, que existe desde 2002, já se formaram e outros novos chegaram. Durante nossa trajetória, tivemos a oportunidade de conviver com outros movimentos eclesiais também presentes na USP, como a Renovação Carismática, que atua através do Projeto Universidades Renovadas. Em conjunto com eles e outros movimentos, realizamos, anualmente, missas de recepção aos calouros e missas de encerramento de ano. Essas missas são a oportunidade que os ingressantes têm de conhecer a diversidade católica presente na USP e se vincular ao grupo com o qual se identificarem mais. A partir desse ano, pretendemos realizar missas mensais. Já realizamos também dois fóruns abertos a toda a comunidade universitária, visando a estabelecer uma nova cultura do diálogo. Falarei rapidamente sobre tudo isso no meu testemunho, que é apenas o reflexo de uma experiência de fé coletiva que fazemos dentro da USP.

--Como você avalia a importância de uma Jornada do Papa com os universitários?

--Daniel Fassa Evangelista: Considero importantíssimo esse encontro do Papa com os universitários, porque é uma oportunidade de reavivar em nós, futuros profissionais, aqueles valores cristãos dos quais a humanidade tanto necessita, como o amor, o perdão e a fraternidade. Essa Jornada reflete uma justa preocupação da Igreja com a formação integral dos jovens, uma formação que una ao conhecimento científico toda sabedoria que emana de Cristo. Por isso esse evento é tão importante.

--Você acredita que a Universidade é um ambiente onde a Igreja deve enfatizar sua presença e estratégias evangelizadoras?

--Daniel Fassa Evangelista: A Universidade é um berço de cientistas, formadores de opinião, lideranças políticas e profissionais com um poder de ação que, ao menos no Brasil, é muito superior ao da maioria da população empobrecida e sem oportunidade. Por isso, é fundamental buscar despertar nos universitários o verdadeiro espírito evangélico, que dá ao ser humano aquele amor sem medidas que Cristo testemunhou. Imbuídos desse espírito, os profissionais do futuro poderão contribuir com mudanças substanciais na nossa sociedade. Esse contributo, no entanto, nunca será superior ao dado por qualquer pessoa que, influente ou não, ame cotidianamente como Jesus ensinou. Portanto, na minha opinião, a evangelização não é mais importante nesse ou naquele ambiente. É necessário que a mensagem de Deus chegue a todos.

--Você participa de apostolado na Universidade. Como atrair os jovens universitários para a vivência da beleza da fé em Cristo na vida da Igreja?

--Daniel Fassa Evangelista: Acho que a melhor forma de apostolado é o testemunho cotidiano do amor de Deus. Colocar em prática com radicalidade o evangelho é a principal ferramenta que nós cristãos temos para evangelizar. Presenciar a alegria e a serenidade com que alguns colegas universitários iam contracorrente foi o que reafirmou em mim a adesão completa e irrestrita à vida de fé. Como me disse certa vez um grande sacerdote, um jovem que vive o evangelho unge os ambientes que freqüenta. Por isso, antes de tudo, devemos procurar ser firmes e coerentes no nosso propósito de seguir Jesus, sempre cientes das nossas próprias limitações e confiantes na misericórdia de Deus. Dessa vivência podem surgir ações concretas de evangelização. Por exemplo: a realização de missas na Universidade é uma maneira de “resgatar” aqueles católicos que ficam perdidos, sem referência, após ingressarem na vida acadêmica; a organização de fóruns e eventos esportivos e culturais, por sua vez, pode ser um meio de transmitir os valores cristãos numa linguagem que leve em consideração a diversidade de formações e histórias pessoais presentes nas Universidades.