A juventude olha para a Cruz da JMJ como sinal de amor de Deus por nós

Entrevista com o Coordenador Nacional da Peregrinação dos Ícones da JMJ no Brasil, Padre Antonio Ramos Prado, sdb

Brasília, (Zenit.org) Thácio Siqueira | 961 visitas

 Pe. Antonio Ramos do Prado, sdb, conhecido como padre Toninho, concedeu mais uma entrevista a ZENIT sobre a relação da Cruz da JMJ com a Juventude.

No dia 11 de maio Pe. Toninho concedeu à ZENIT uma entrevista explicando como é que o Brasil está acolhendo os Símbolos que peregrinam pelas diversas dioceses. Para acessar à entrevista clique nesse link: http://www.zenit.org/article-30289?l=portuguese

Padre Toninho é assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da CNBB e Coordenador Nacional da Peregrinação dos Ícones da JMJ no Brasil.

Quem são os jovens que têm contato com a Cruz da JMJ?

Pe. Toninho: São jovens de todas as classes sociais. Jovens do Campo e da Cidade. Jovens das pastorais da juventude que vivem o seu ministério nas comunidades rurais, nos meios populares, no mundo estudantil, nas comunidades de base em nossas paróquias do Brasil. São jovens de Movimentos, de Novas Comunidades, do mundo universitário e das Congregações que têm carisma voltado para a Evangelização da juventude.

Que olhares os jovens tem para com Cruz da JMJ?

Pe. Toninho: Muitos olham pedindo a Deus libertação. Por exemplo, quando a Cruz passa na prisão os jovens presos pedem a Deus libertação da cadeia. Quando o jovem é desempregado pede a Deus emprego, quando é dependente químico pede a Deus cura, quando vai mal na escola pede a Deus que melhore... outros olhares são de piedade e agradecimento. Alguns procuram olhar a Cruz, entender o sofrimento de Cristo. Mas muitos olham a Cruz  como sinal do Amor de Deus por nós. Com esperança, pois Cristo vive. O olhar mais comovente que vi foi um jovem na prisão pedindo para Deus curar a mãe que estava com câncer. Enfim, os olhares sempre buscam a misericórdia de Deus.

A Cruz da JMJ pode converter alguém?

Pe. Toninho: Sim. Quando a Cruz passa no meio da multidão, muitas pessoas que não creem procuram saber porque a juventude anda atrás de uma Cruz de madeira. Então ela começa a buscar respostas às suas inquietações. Um jovem da Universidade de Teresina-Piauí, no calor de um debate entre fé x razão, questionou a existência de Deus. Porém, num determinado momento quando os jovens daquela arquidiocese entraram no salão de debate com a Cruz e cantando a música “no peito eu levo uma cruz” ele mudou de opinião, pois nesse momento ele acreditou que a Fé vai além da razão.

O que se espera com a passagem da Cruz da JMJ no Brasil?

Pe. Toninho: Que ela ajude a juventude a fortalecer a Fé e principalmente a viver intensamento a proposta do Documento de Aparecida, ou seja, serem verdadeiros díscípulos de Cristo e autênticos missionários. Esperamos que a Cruz ajude os jovens a reafirmar sua opção fundamental por Cristo e pela Igreja. Ajude os jovens fazer seu projeto de vida e pautar seu caminho através do mesmo. Ajude os jovens a não perderem de vista a ternura de Deus.

Um legado especial que a Cruz poderia provocar nos jovens?

Pe. Toninho: O índice de mortalidade juvenil no Brasil têm crescido cada ano. O legado importante seria que os jovens que estão seguindo a Cruz fossem evangelizadores de outros jovens para eles tenham vida em abundância.