"A música é uma linguagem universal que nos eleva à Deus"

O comentário do Papa no final do concerto realizado no Vaticano pelo Principado das Astúrias

| 1009 visitas

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 28 de novembro, 2011 (ZENIT.org) - No sábado à tarde, 26 de novembro, a jornada do Santo Padre foi animada por um concerto em sua honra, oferecido pelo Governo do Principado das Astúrias e realizado na Sala Paulo VI.

A Orquestra Sinfônica do Principado das Astúrias, dirigida pelo maestro Maximiano Valdés interpretou músicas de Manuel de Falla (1876-1946), Isaac Albeniz (1860-1909), Jesús Rueda (1961), Richard Strauss (1864-1949), Nikolai Rimsky-Korsakov (1844-1908).

A organizadora do evento foi a Fundação Maria Cristina Masaveu Peterson, cujo presidente, Fernando Masaveu, dirigiu as palavras de abertura em homenagem à Bento XVI.

Após a execução, o Papa agradeceu aos organizadores e músicos pelo “maravilhoso concerto” e pela possibilidade que teve, por meio dele, de fazer uma "viagem interior" através do "folclore, dos sentimentos e do mesmo coração da Espanha".

O Santo Padre - que, como é conhecido, toca o piano e é um grande apaixonado pela música clássica - sublinhou a "característica de fundo" das razões ouvidas na noite passada: "a capacidade de comunicar musicalmente sentimentos, emoções, e mais, eu diria quase o tecido da vida cotidiana".

O concerto oferecido pelo Principado das Astúrias, fundindo elementos da música popular e da música clássica, transmitiu, em muitos dos seus passos, uma verdadeira "alegria de viver, de clima de festa", disse o Papa.

Das composições ouvidas ontem, no entanto, de acordo com o Papa, emerge também um elemento "mais hispânico" que é "aquele religioso que está profundamente impregnado no povo Espanhol”.

Na passagem de Rimsky-Korstakov, por exemplo, aparecem "uma antiga invocação das Astúrias com a qual pede a proteção da Virgem Maria e de São Pedro" e "um hino cigano à Nossa Senhora ", disse Bento XVI.

"São as maravilhas que obram a música, esta linguagem universal que nos permite superar qualquer barreira e entrar no mundo do outro, de uma Nação, de uma cultura, e nos permite também dirigir a mente e o coração para o Outro com “O” maiúsculo,  de elevar-nos ao mundo de Deus", continuou o Santo Padre, antes dos agradecimentos e da bênção final.