A rainha da Inglaterra e o príncipe consorte visitam hoje o papa Francisco

É o quarto pontífice que Elizabeth II encontra, depois de João XXIII, João Paulo II e Bento XVI

Madri, (Zenit.org) Ivan de Vargas | 411 visitas

A rainha Elizabeth II e o Duque de Edimburgo visitaram o papa Francisco no Vaticano na tarde desta quinta-feira. A audiência privada com o Santo Padre aconteceu na Casa Santa Marta, atual residência do pontífice argentino.

Em comunicado, a Casa Real informou que "a rainha, acompanhada pelo Duque de Edimburgo, visitará Roma no dia 3 de abril. Sua Majestade e Sua Alteza Real viajam a convite do presidente da Itália, Giorgio Napolitano. A Rainha e o Duque de Edimburgo visitarão o palácio presidencial, onde participarão de um almoço privado oferecido pelo presidente. Depois, manterão uma audiência com Sua Santidade, o papa Francisco, no Vaticano".

Alguns meses atrás, o Palácio de Buckingham anunciou que a rainha visitaria o Santo Padre no ano de 2013, mas a viagem foi adiada, por motivos de saúde, a uma data prévia ao dia 21 de abril de 2014, quando a soberana inglesa completa 88 anos de idade.

As fontes do palácio explicaram à rede britânica BBC que Elizabeth II não vestirá roupas pretas nem usará véu, como fez nas suas três visitas anteriores ao Vaticano, tal como indica a tradição romana. Em seus encontros com João XXIII em 1961 e com João Paulo II em 1980, a soberana usava roupas pretas e um véu preso por uma tiara. No segundo encontro com Karol Wojtyla, no ano 2000, a rainha vestia preto e um chapéu com véu. Francisco será o quarto papa que a soberana encontra, depois de se reunir com João XXIII, João Paulo II e Bento XVI.

O último encontro entre um pontífice e a rainha da Inglaterra aconteceu em 16 de setembro de 2010, durante a viagem de Bento XVI ao Reino Unido. Lá, o papa Ratzinger se reuniu com a soberana no palácio real de Holyroodhouse, na Escócia, depois da chegada ao aeroporto de Edimburgo.

O antecessor do papa Francisco fez um discurso na Universidade de Oxford e celebrou em Coventry a beatificação do cardeal John Henry Newman, o mais famoso dos anglicanos convertidos ao catolicismo.

João Paulo II tinha viajado ao Reino Unido em 1982, em visita pastoral.

A visita de Elizabeth II ao Vaticano desperta especial atenção porque a monarca é a cabeça da Igreja anglicana, fundada pelo rei Henrique VIII em 1534, depois que o papa Clemente VII se recusou a anular seu casamento com a rainha Catarina de Aragão.

É importante recordar ainda que, em janeiro de 2011, a Santa Sé criou o primeiro ordinariato anglicano, uma estrutura voltada a acolher os membros do anglicanismo que aceitam a plena comunhão com Roma. Desde então, vem acontecendo de maneira paulatina a incorporação à Igreja católica de grupos de fiéis e paróquias inteiras da Igreja anglicana.

A Igreja anglicana reiterou, em 13 de fevereiro passado, que, de acordo com "a compreensão e a doutrina cristã", o matrimônio "é a união, para toda a vida, entre um homem e uma mulher", e que, apesar das mudanças nas legislações nacionais no tocante às uniões entre parceiros do mesmo sexo, a doutrina sobre o matrimônio "permanece invariável".

Diversos meios de comunicação destacaram que será um papa argentino quem receberá a rainha da Inglaterra, justamente um dia depois do aniversário de 32 anos do início do conflito das ilhas Malvinas.