A Santa Sé aprovou os Estatutos da Associação Internacional dos Exorcistas

A Associação, fundada em 1991, idealizada pelo padre Amorth, conta hoje com 250 exorcistas de 30 países. O presidente, pe. Bamonte: Motivo de alegria não só para os membros, mas para toda a Igreja

Roma, (Zenit.org) Redacao | 638 visitas

Por decreto de 13 de Junho de 2014, a Congregação para o Clero reconheceu juridicamente a Associação internacional de exorcistas (AIE). Baseado no cânon 322 § 1º do Codex iuris canonici os estatutos foram aprovados, dando-lhe personalidade jurídica privada, como associação privada internacional de fiéis de acordo com o cânon 116 § 2º, com todos os direitos e obrigações estabelecidos pelo Código.

L'Osservatore Romano divulgou a notícia, informando que a ideia de reunir em associação os exorcistas apareceu na Itália e veio do pe. Gabrele Amorth, religioso da Sociedade São Paulo, nos anos 80 do século passado.  Naquela época, de fato, estava se espalhando práticas ocultas e um número crescente de fiéis, acreditando-se em perigo ou ameaçados, dirigiam-se aos exorcistas. Então, amadureceu a ideia de reunir os exorcistas para trocar experiência e reflexões para, assim, poder oferecer uma ajuda mais concreta e eficaz às pessoas que os procuravam. Isso deu como resultado, no 4 de setembro de 1991, a Instituição da Associação italiana dos exorcistas, que hoje conta com 250 exorcistas provenientes de 30 nações.

Em 1993, o padre Amorth e outros exorcistas italianos participaram do congresso organizado pelo exorcista francês René Chenessau e pelo teólogo René Laurentin. A experiência foi positiva, e foi repetida em 1994, em Ariccia, onde se decidiu dar continuidade a estes encontros internacionais, realizados a cada dois anos. Foi eleito presidente da estrutura organizacional o Pe. Amorth e escreveu-se um rascunho dos estatutos de uma associação internacional.

O padre italiano retirou-se no 2000, propondo como sucessor o pe. Giancarlo Gramolazzo, religioso orionita que se manteve à frente por três mandatos sucessivos, comprometendo-se também a elaborar e submeter à Santa Sé novos estatutos para a associação. Morreu em 2010 o pe. Gramolazzo, o caminho foi continuado pelo capuchinho Cipriano de Meo, presidente interino, o qual, em 2012, foi sucedido pelo padre Francesco Bamonte, dos Servos do Coração Imaculado de Maria, exorcista da diocese de Roma.

A aprovação da IEA pela Santa Sé "é motivo de alegria não só para nós associados, mas para toda a Igreja", afirmou o pe. Bamonte ao jornal Vaticano. O sacerdote recorda como Deus chama alguns sacerdotes "para este valioso ministério do exorcismo e da libertação", com a tarefa de "acompanhar com humildade, fé e caridade as pessoas que necessitam de um cuidado espiritual e pastoral específicos", a fim de apoiá-las e incentivá-las no "caminho da libertação e para reaviva-las na esperança."

O então presidente da AIE espera que "outros sacerdotes sejam conscientes desta realidade dramática, muitas vezes ignorada ou subestimada", uma vez que também "o exorcismo é uma forma de caridade, para o benefício de pessoas que estão sofrendo", e, sem dúvida, faz parte das "obras de misericórdia espirituais e corporais”. (Trad.T.S.)