A tradição de fé: uma resposta para a pergunta sobre o universo

Presidente do Conselho das Conferências Episcopais da Europa reflete sobre a relação entre ciência e Deus

| 1071 visitas

Cardeal Péter Erdo

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 19 de outubro de 2012 (ZENIT.org) – Apresentamos abaixo as palavras do cardeal Péter Erdo, arcebispo de Esztergom-Budapeste, presidente da Conferência Episcopal e do Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE), durante a décima quarta congregação geral do Sínodo dos Bispos, em 16 de outubro de 2012.

***

O nº 54 do instrumentum laboris fala sobre o Pátio dos Gentios. Para a evangelização, é necessário partir do básico da nossa existência. A nossa fé, na verdade, se refere à realidade. À totalidade de tudo o que existe. A atual visão científica do mundo nos dá uma perspectiva amplíssima.

Se tentarmos imaginar o universo, a nossa imaginação se abre para Deus, para a sua imensa realidade. A realidade colossal de Deus, quando se encontra com o mundo, sendo intimamente presente nele, mas ficando acima do espaço e do tempo, produz situações que muitas vezes nos parecem paradoxais.

As ciências naturais, a física, a astronomia, nos demonstram a flexibilidade e a riqueza de conceitos fundamentais como a matéria e a energia. Colocam a questão do início e do fim do universo. Falam até de energia escura e de antimatéria, categorias úteis para ajudar a explicar certos fenômenos basilares do universo. Há uma abundância de pesquisadores que estão abertos à aceitação da existência de um Deus transcendente, que não é a mesma coisa que o universo em si.

Quando nós, cristãos, proclamamos que Deus é pessoal, que ele nos ama, que ele nos salvou, que ele nos convida a uma vida feliz e eterna em comunhão com ele, não estamos formulando conclusões automáticas do nosso conhecimento sobre a natureza.

Nós temos outra fonte, que é necessária para a nossa fé: a revelação divina, que nos veio em sua plenitude na pessoa de Jesus Cristo. Este grande evento nós podemos conhecer através da tradição, transmitida pela Igreja, atestada pelo testemunho das gerações de santos, partindo dos apóstolos até os dias atuais.

A tradição da fé soa como uma resposta autêntica para a nossa grande experiência e pergunta sobre o universo. Nós vivemos, portanto, em uma época de grandes oportunidades para proclamar a nossa fé também através do diálogo com as ciências naturais e históricas.

(Trad.ZENIT)