A unidade dos cristãos: o desejo de Don Luigi Giusanni

A ânsia ecumênica do fundador de Comunhão e Libertação em uma homilia de 1944, poucos meses antes de receber o diaconato

Roma, (Zenit.org) Redacao | 356 visitas

No dia 28 de maio de 1944, Solenidade de Pentecostes, na Basílica do Seminário de Venegono, Luigi Giussani - vinte e um anos à espera de receber o diaconato depois de alguns meses – recebeu a tarefa de pronunciar a homilia. Um texto revelador da ânsia ecumênica que o anima, desconhecido para a maioria das pessoas :

Parece-me que nenhum outro detalhe caracterize melhor a ação vivificante do Espírito Santo como a sua força de unidade. A unidade é a nota essencial para toda vida. A tendência de desintegração que sentimos em nós e nas coisas é a chamada sintomática do nada de onde fomos tirados. O instinto que nos leva a reagir a esta desintegração é a experiência sensível da força conservadora de Deus que nos deu a vida [...] por isso, a unidade também exterior da igreja é a paixão de Jesus: "Ut fiet unum" até o paradoxo “sicut Tu Pater in me et ego in Te”.

É o Espírito de Jesus que nos obriga a sofrer para que o nome do Verbo encarnado não seja dividido entre tantas denominações diferentes. É ele que não nos deixa em paz e nos faz orar, mortificar, trabalhar, para que a paixão do nosso divino amigo seja satisfeita. [...] A unidade da Igreja não é uma unidade estática, mas tendente a uma inefável unidade final. Nós somos pessoas em flébil espera, nós desejamos vê-lo, queremos possuí-lo [ ...]. Mas em nós  está uma pessoa, Espírito de Jesus, que nos dá esta orientação a Ele; [ ...] que fermenta a nossa alma e a mantêm elevada na ânsia de soltar o suspiro preso, na satisfação de abraça-lo como Ele é.

Tal desejo aumentou ao longo do tempo, tanto que depois de cinquenta anos, no final dos anos Noventa, afirmará:

O ecumenismo não é, então, uma tolerância genérica que pode deixar o outro ainda estranho, mas é um amor à verdade que está presente, talvez até por meio de um fragmento, em qualquer um. Cada vez que o cristão encontra uma realidade nova a aborda positivamente, porque ela tem alguma reverberação de Cristo, alguma reverberação de verdade.

***

[ Ver L. Giussani , Homilia de Pentecostes. Creio in Spiritum Sanctum Dominum et vivificantem ( Venegono Inferiore , 28 de maio 1944) , citada em A., Vida de Don Giussani, Rizzoli , Milão, 2013 , p. 95 , 143 ]

(Trad. TS)