''A violência só produz violência e morte''

Palavras do cardeal de Paris após um suicídio cometido em protesto na catedral de Notre Dame

Paris, (Zenit.org) | 565 visitas

“A violência nunca fez o amor progredir. A violência produz somente violência e morte”, declarou o arcebispo de Paris, cardeal André Vingt-Trois, ao abrir na catedral de Notre Dame, na noite de ontem, a “Vigília de oração pela vida”, organizada pelas oito dioceses da Ille de France.

A vigília, planejada há vários dias, começou poucas horas depois do suicídio do escritor Dominique Vernner, que disparou contra si mesmo para protestar contra a lei francesa sobre as uniões homossexuais. A nova lei, depois da aprovação pelas duas câmaras do parlamento, foi confirmada pelo Conselho Constitucional na última sexta-feira, apesar das diversas passeatas e manifestações de protesto, uma das quais, a “Manif pour tous”, reuniu aproximadamente um milhão de manifestantes em Paris.

O cardeal Vingt-Trois fez à sociedade francesa um apelo em prol da paz, levando em conta que no próximo domingo, 26, deverá ocorrer outra manifestação contra a lei de uniões homossexuais.

Ao iniciar a celebração, o cardeal afirmou: “Não podemos iniciar esta vigília de oração sem recordar o que aconteceu hoje nesta catedral: um homem se suicidou, cometendo um ato de extrema violência para demonstrar as suas ideias e convicções ao mundo. Nós purificamos a catedral para a celebração da eucaristia do Corpo e Sangue de Cristo. Mais do que a catedral, porém, os nossos corações é que precisam ser purificados. É dos nossos corações que é necessário erradicar a violência”.

O cardeal exortou ainda: “Que nunca nenhum tipo de violência, nem física, nem verbal, atinja a criança inocente chamada a nascer, nem o ancião abandonado. E visto que muitos católicos vão participar da manifestação organizada em Paris no próximo domingo, pedimos, como nas manifestações anteriores, que se abstenham de qualquer tipo de violência; não somente nos gestos, mas também nas palavras. Peçamos aos manifestantes que sejam testemunhas da paz e da vida”.