Agências de Ajuda da Igreja, exemplares por seus baixos custos

Explica o presidente do Conselho Pontifício «Cor Unum»

| 693 visitas

CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 29 de janeiro de 2008 (ZENIT.org).- As agências de ajuda da Igreja são exemplares desde o ponto de vista dos custos de gestão, entre os mais baixos do mundo, constata o cardeal Paul Josef Cordes.

O presidente do Conselho Pontifício «Cor Unum», organismo da Santa Sé responsável pela orientação e coordenação entre as organizações e as atividades caritativas promovidas pela Igreja Católica, apresentou hoje a mensagem que Bento XVI escreveu para a Quaresma.

Na coletiva de imprensa, explicou aos jornalistas que, apesar de que «a luta contra a miséria desde o ponto de vista das finanças registre êxitos», «é necessário sublinhar, por exemplo, que os balanços estruturais das instituições assistenciais às vezes são surpreendentemente altos».

«Em certas ocasiões, os custos internos representam pouco menos de 50% da renda», informou.

Segundo o cardeal, «seria útil que, por ocasião dos convites da mídia, lançados após calamidades como o tsunami, não só se indicasse o número da conta bancária ao qual destinar os donativos, mas também a porcentagem que as agências retêm para manter sua própria instituição».

Isso, disse, «ajudaria o doador a discernir como sua doação chega aos necessitados». Neste contexto, assegurou, «o consumo interno das agências de ajuda da Igreja pode considerar-se como exemplar».

Em 2006, de fato, os custos administrativos da Cáritas Italiana representaram 9% dos donativos, os da Ordem de Malta 7%, e os de Ajuda à Igreja que Sofre 6%.

As fundações «João Paulo II para a luta contra a desertização no Sahel» e a «Populorum Progressio», que ajuda indígenas, afro-americanos e camponeses da América Latina, ambas confiadas pelos papas ao Conselho «Cor Unum», no ano 2006 tiveram apenas 3% de gastos logísticos e administrativos.

O Conselho Pontifício «Cor Unum», surgido por iniciativa de Paulo VI em 15 de julho de 1971, distribuiu em 2007 ajudas diretas do Papa a populações que sofreram catástrofes humanas ou naturais por um valor de 2.133.710 dólares.