Ajudar a crescer: não há educação sem um encontro verdadeiro

Catequese para toda a família

Madri, (Zenit.org) Luis Javier Moxo Soto | 968 visitas

Os pais, mesmo aqueles que estudaram para, teoricamente, ensinar determinadas áreas do conhecimento em um centro educativo, não necessariamente têm a habilidade de ajudar os próprios filhos e alunos a amadurecer.

Pode-se ter, ou não, a disposição adequada para ser pai ou docente. Mas ela não vem, nem pode vir, da natureza ou dos diplomas. Ter vocação é assunto muito mais sério, que não pode ser encarado superficialmente. Ser colaboradores de Deus para ajudar e formar a sua obra mais perfeita, que é o ser humano, não é nenhuma brincadeira.

Por mais que pensemos que os filhos e alunos de hoje vão se formando sozinhos com a ajuda de amigos e do ambiente, com o passar dos anos, com as diversas realidades e problemas que eles têm de encarar e resolver, isto não é suficiente.

Não basta que os educadores, pais e docentes coloquem diante dos jovens uma série de conteúdos para que eles consigam, através do esforço e da constância, do estudo e da aprendizagem, os frutos e as habilidades que os capacitam para enfrentar com sucesso as múltiplas situações da vida.

A pessoa humana exige ser considerada na sua dimensão relacional, na sua necessidade de se perguntar sobre as finalidades, sobre o sentido supremo daquilo que ela vive, da transcendência. A pessoa humana não pode deixar em segundo plano, e muito menos excluir, os fatores que explicam a realidade e a dotam de sentido; a origem e a explicação desta ou daquela manifestação natural, artística ou espiritual. Precisamos conhecer, saborear e desfrutar da realidade.

A possibilidade de ir amadurecendo, portanto, nasce do fato de sermos capazes de assombro, de questionamento e de reconhecimento da realidade como dotada de significado. Não achamos suficiente viver sem interpretar adequadamente o que somos, o que fazemos e o que vivemos. Podemos estar imersos em uma experiência, mas, no fundo, estamos perdidos e insatisfeitos porque não somos protagonistas de uma vivência intensa.

Se queremos educar filhos e alunos, precisamos considerar se optamos por um monólogo, por um movimento unidirecional, ou por algo totalmente diferente, dinâmico e enriquecedor. Se tratamos os nossos educandos como sujeitos de prêmios e castigos, como se fossem animais, não podemos estranhar se depois eles se comportarem como tais, sem um desejo do bem como bem em si.

É preciso correr um risco educativo, o da necessária confrontação com a verdade e com a experiência. A minha também, como pai e como educador. Não se trata apenas de uma aproximação entre alguém que exerce uma autoridade magisterial e outro alguém que deseja obter conhecimento; trata-se, antes, de um verdadeiro encontro humano.

Quem se considera um bom pai, educador e filho? Numa sociedade carente de referências estáveis, que pretende que as crianças e adolescentes queimem etapas, que enxerga a religião como um elemento estranho e chato, que valoriza mais a conectividade do que o assombro e mais os interesses pessoais do que a gratidão, é só através de um encontro verdadeiramente humano que poderemos ajudar os nossos filhos e educandos a crescer e amadurecer, e, ao mesmo tempo, ajudar a nós mesmos.