Apelo do Patriarca Latino de Jerusalém à unidade da Igreja

Em sua primeira carta pastoral aos fiéis do patriarcado

| 1006 visitas

JERUSALÉM, sexta-feira, 3 de julho de 2009 (ZENIT.org).- “Unidade na diversidade” é o título que Dom Fouad Twal, Patriarca Latino de Jerusalém, quis dar a sua primeira Carta Pastoral dirigida aos fiéis do Patriarcado, que compreende os Territórios Palestinos, Israel, Jordânia e Chipre.

“As atuais divisões dos cristãos são resultado do pecado e das paixões”, explica Dom Twal, já que “não têm nada a ver com o pluralismo”. 

“Devemos tentar restaurar a unidade ferida pelas divisões e os cismas, a unidade que tem como fundamento uma só fé e um só Senhor”, continua. 

“A unidade da Igreja – sublinha Dom Twal –, “é a da doutrina, e sua diversidade é a das formas de vida cristã que, apesar de sua diversidade, tem um único fim”. 

“Na diversidade dos ministérios e das responsabilidades – afirma também –, a unidade se realiza antes de tudo através do amor, do respeito ao outro, a colaboração e a responsabilidade para com o mundo segundo a lei natural”. 

Na carta, o Patriarca latino de Jerusalém recorda também a recente ofensiva lançada por Israel na Faixa de Gaza, que provocou a morte de 1.500 pessoas e a destruição de numerosos edifícios. 

“Só no mistério e na luz da cruz podemos entender um pouco do significado destas adversidades”, reconhece. 

Este conflito, acrescentou, “aumentou fortemente a aflição dos cristãos”, que se converteram em “forasteiros na terra de Cristo”. 

A respeito da situação do Oriente Médio, Dom Twal destaca que “o povo palestino tem uma aspiração legítima à liberdade e à soberania”. 

“Da mesma forma que o povo de Israel, deseja a estabilidade e a segurança –acrescenta. Em definitivo, a paz não pode ser estabelecida sem a justiça”. 

Por isto, o Patriarca Latino reafirma “o compromisso da Igreja de Jerusalém” que “olha com ternura para todos seus filhos das comunidades locais, árabes, judeus e chipriotas, como também todos seus filhos de todas as nacionalidades”.

“A Igreja –lê-se na Carta pastoral– vai além das diferenças de raça e cultura, já que é católica, ou seja, universal”.

“Quer ir além dos conflitos políticos para abraçar todos seus filhos no amor de Cristo –destaca. Desta forma, dá testemunho da caridade”. 

O Patriarca latino recorda também “a migração, que diminuiu o número de cristãos de nossa diocese”, causada pela “instabilidade política”, pelas “dificuldades econômicas” e pela “incerteza com respeito ao futuro”.

Com respeito à recente visita de Bento XVI, o Patriarca afirma que o Papa “confirmou nossa fé” e “abriu também seu coração aos cristãos de outras confissões e aos não cristãos, sobretudo aos de religiões monoteístas”. 

Finalmente, Dom Fouad Twal anima os fiéis a ser “agentes de unidade entre os habitantes destes países”, e a proclamar a Boa Nova, “semeando paz e amor nos corações das pessoas”. 

“Um testemunho semelhante –conclui finalmente– deve ser dado antes de tudo com nossa vida”.