Aplicativo de notícias Zenit: um novo modo de evangelizar

Agência de notícias lança app para mais de 1 milhão de usuários

Brasília, (Zenit.org) Lilian da Paz | 373 visitas

Na última terça-feira (2), a agência Zenit lançou um aplicativo de notícias para celular inicialmente disponível para quatro línguas: inglês, francês, espanhol e italiano. O objetivo do app é intensificar e facilitar o acesso instantâneo dos usuários às notícias eclesiais, ampliando a potencialidade de Zenit como meio de comunicação a serviço do Papa e da Igreja.

Ao todo, o app de Zenittem quatro funcionalidades. São elas:

- Notícias: todo o conteúdo atualizado no site de Zenit será simultaneamente divulgado no aplicativo

- Facebook: com mais de 90 mil likes nas quatro línguas acima citadas, ao todo, Zenit também compartilha no aplicativo o conteúdo publicado nesta rede social

- Twitter: os usuários poderão seguir todos os tuites do Papa Francisco nas quatro línguas

- Tv: Todas as transmissões do Centro Televisivo do Vaticano (CTV) estarão disponíveis em inglês, francês e espanhol.

Para baixar o app de Zenit, os usuários do sistema Android devem entrar no link http://goo.gl/Fp7Rnq ou procurá-lo na Google Play Store. Já quem usa o iPhone consegue baixar o aplicativo no link http://goo.gl/zUI7Js ou na Apple Store.

A produção do aplicativo só foi possível com a colaboração financeira dos benfeitores de Zenit, que auxiliam a missão de levar a Boa Nova a mais de 1 milhão de assinantes em todo o mundo.

Igreja e tecnologia

Tanto Bento XVI como Francisco têm insistido no tema da evangelização por meio do ambiente virtual.  O Papa Emérito abriu caminho para a discussão sobre o modo de utilização e o comportamento dos católicos nas redes e mídias sociais, reconhecendo que a internet é um instrumento de grande potencial para o anúncio da mensagem de Cristo, desde que seja usada com coerência.

A capacidade de utilizar as novas linguagens requer-se não tanto para estar em sintonia com os tempos, como sobretudo para permitir que a riqueza infinita do Evangelho encontre formas de expressão que sejam capazes de alcançar a mente e o coração de todos. No ambiente digital, a palavra escrita aparece muitas vezes acompanhada por imagens e sons. Uma comunicação eficaz, como as parábolas de Jesus, necessita do envolvimento da imaginação e da sensibilidade afetiva daqueles que queremos convidar para um encontro com o mistério do amor de Deus.

Bento XVI, DMC 2013

Seguindo a linha do antecessor, Francisco aponta também para a questão do testemunho, e vai além. Na mensagem para o Dia Mundial das Comunicações, o Pontífice lembra da essência da palavra comunicar destacando o aspecto de encontro.

A cultura do encontro requer que estejamos dispostos não só a dar, mas também a receber de outros. Os mass-media podem ajudar-nos nisso, especialmente nos nossos dias em que as redes da comunicação humana atingiram progressos sem precedentes. Particularmente a internet pode oferecer maiores possibilidades de encontro e de solidariedade entre todos; e isto é uma coisa boa, é um dom de Deus.

Francisco, DMC 2014

Um jovem conectado

Caio Lima tem 26 anos, é casado, tem três filhas e é fissurado por tecnologia. Integrante dos Jovens Conectados – grupo pertencente à Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) -, o jovem tem 66 aplicativos no celular. Entre eles está o The Pope App, um aplicativo católico sobre o Papa.

Ele conta que começou a utilizar smarthphones com o boom do Twitter, entre 2009 e 2010. Atualmente usa o sistema Android para realizar as atividades diárias da profissão de analista de redes sociais católicas e seculares. “Grande parte dos meus aplicativos tem como finalidade a comunicação. O maior número deles uso em serviço mesmo, como o Facebook, o Gerenciador de Páginas, Instagram, Twitter”.

O jovem vê os aplicativos como ferramentas bem importantes para auxílio em horas de incertezas, sobretudo para localização. Na cobertura da Peregrinação da Cruz para a JMJ 2013, feita pelos Jovens Conectados, Caio utilizou um app para chegar até o destino da hospedagem.

Apps:uma vertiginosa ascensão

Os apps estão ficando mais fortes do que nunca. Isto se justifica pela enorme demanda do mercado mundial, sedento por novidades tecnológicas, sobretudo àquelas voltadas ao universo mobile.

Segundo levantamento feito em 13 países pela On Device Research, em 2013, e publicado no início deste ano, o Brasil é o líder em downloads de aplicativos. No segundo semestre do ano passado, 75% dos brasileiros baixaram apps gratuitos, contra 67% de toda a América Latina.

Esta demanda por apps tem origem em 1997 quando a Nokia percebeu uma oportunidade de negócios com a criação de celulares com jogos. Seguindo no pioneirismo, em 2002, diversas empresas começaram a produzir celulares com programação Java, abrindo o leque de aplicativos móveis – sendo boa parte de jogos.

Na entrada no novo milênio, os celulares passaram por inúmeras transformações. Quem soube aproveitar bem esta ocasião foi a Apple, com o lançamento do iPhone e, posteriormente, com a criação da App Store. Procurando espaço neste campo de inovações, a Google Play Store também abriu caminho na área. Mas, distintamente da empresa de Steve Jobs, ampliou os downloads de dispositivos gratuitos.

Desde 2007, cerca de 500 mil empregos já foram criados em todo o mundo com a produção de aplicativos móveis.