Arcebispo condena morte de médicos no Afeganistão

“A paz precisa de reciprocidade”, diz Dom Rino Fisichella

| 1344 visitas

ROMA, terça-feira, 10 de agosto de 2010 (ZENIT.org) – “A Bíblia não é um livro que gera violência, e o que representa não pode suscitar este tipo de reação”. Foi o que afirmou Dom Rino Fisichella, presidente do Pontifício Conselho para a Nova Evangelização, ao falar sobre o assassinato, na sexta-feira, de médicos cristãos ocidentais vistos como ‘espiões’ pelos talibãs porque possuíam Bíblias; informa Rádio Vaticano.

Em entrevista ao jornal italiano Corriere della Sera, o arcebispo condenou o assassinato de dez membros da organização não-governamental cristã Missão de Assistência Internacional (IAM), no Afeganistão, assinalando que nunca pode existir uma justificação religiosa para a violência e conflitualidade.

Dom Fisichella avalia que existe uma guerra cujo fim não se entrevê, mas a Igreja continua a defender a força da razão, da razão que penetra na fé e aceita o relacionamento entre religiões diferentes, desde que baseado no respeito e conhecimento mútuos.

“A paz precisa de reciprocidade; os Estados árabes também devem se esforçar para deter as alas fundamentalistas e colocar fim à violência”, disse. 

Por sua vez, o diretor da IAM, Dirk Frans, garante que a ONG não pensa em deixar o Afeganistão, apesar do massacre de 10 dos seus membros, oito deles estrangeiros.

Frans confirmou as identidades dos mortos, três dos quais mulheres, e suas nacionalidades: seis norte-americanos, um britânico, um alemão e dois afegãos. 

O movimento talibã reivindicou o atentado alegando que os médicos, enfermeiros e colaboradores teriam consigo Bíblias em dari, a língua local. Esta eventualidade é negada por Dirk Frans, que afirma também que o grupo nunca fez proselitismo.