Arquidiocese de Belém entrega prêmios para comunidade carcerária

34 quadros produzidos pela população carcerária do estado foram confeccionados para o III Concurso LibertArt

| 814 visitas

Por Alan de Jesus

BELÉM DO PARÁ, quinta-feira, 25 de outubro de 2012 (ZENIT.org) - Longe do convívio social, os apenados do estado do Pará (com sentença definitiva ou presos condenados) podem expressar, por meio da arte, sua relação com uma das maiores manifestação católica do Brasil, o Círio de Nazaré. Os 34 quadros produzidos pela população carcerária do estado foram confeccionados para o III Concurso Libert’Art. A premiação aconteceu hoje, 24, e contou com a presença de familiares e amigos dos participantes. Com o tema “Círio de Nazaré: a festa do povo”, o concurso busca inserir os internos por meio das artes na festa mariana, além de resgatar a autoestima e despertar novos talentos.

“Tentei mostrar em meu quadro como a fé podem superar todos os obstáculos. Mesmo por traz da prisão nós podemos estar unidos com a festa de Nossa Senhora de Nazaré”, disse Jairo Alexandre de Oliveira Rodrigues, de 36 anos. O detento recebeu R$ 2.200 pelo quadro intitulado: “Fé sem barreiras”, ganhador do concurso. “O dinheiro ajudará minha família”, disse.

“Não há limites para o alcance do Círio. A evangelização pode ser feita por meio da pregação, do testemunho, da música, mas também da arte”, explicou o Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira.

Para o Superintendente da Susipe, André Cunha, o projeto auxilia os detentos. “Esse projeto preenche uma lacuna pouco explorada no cárcere: a arte. É por meio dela que a população carcerária consegue fazer a conexão entre a realidade e o universo dentro da cadeia”

O concurso é realizado pela Pastoral Carcerária, da Arquidiocese de Belém, com parceria da Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe). 

PASTORAL CARCERÁRIA

Começou seus trabalhos em 1991 realizando atividades em 15 Casas Penais, entre Centros de Recuperação e Centrais de Triagens. Suas atividades trabalham três dimensões: social, jurídica e religiosa. No campo social, atua em parceria com a Pastoral Familiar, com visitas aos lares dos presos, e com a Pastoral da Criança, realizando acompanhamento com gestantes no Centro de Recuperação Feminino (CRF). Além disso, desenvolve promoção de cursos para geração de renda.

No campo jurídico, auxilia àqueles que não possuem recursos financeiros para contratar um advogado. Já no religioso, desenvolve duas vezes por semana, em cada casa Penal, visitas com leitura bíblica de momentos de oração. Hoje, atua em 18 paróquias, possuindo mais de 120 agentes de pastoral.