Assumir os desafios do estado permanente de missão na América

Reunião de formadores latino-americanos de seminários no Chile

| 1865 visitas

SANTIAGO DO CHILE, sexta-feira, 3 de julho de 2009 (ZENIT.org).- Cinquenta e cinco formadores de diferentes países latino-americanos e do Caribe se reunirão no Pontifício Seminário Maior São Rafael de Lo Vásquez, Chile, a partir deste domingo e durante um mês.

O encontro tem como objetivo aprofundar nas exigências atuais da formação dos futuros sacerdotes no continente. 

Intervirão neste ciclo, como expositores, destacadas figuras da Igreja local e latino-americana. 

“Entre os objetivos específicos deste curso – declara a ZENIT o reitor do seminário de Lo Vásquez, Erwin Prieto López – busca-se distinguir os principais elementos da formação integral em um projeto global que responda aos desafios da realidade dos novos pastores”. 

Busca-se, também, “aprofundar a reflexão das dimensões humana, espiritual, intelectual e pastoral; avaliar e refletir sobre os critérios para a formação nos seminários que ajudem os futuros sacerdotes a assumir os desafios do estado permanente de missão no Continente, e estudar as implicações de Aparecida na formação dos futuros pastores”. 

“Está tudo preparado e disposto para acolher estes irmãos que virão para formar-se em nosso país”, afirma Pe. Prieto. 

“Envolvemos os seminaristas, os sacerdotes de nossa diocese e também os leigos em diversas tarefas e todos esperam prestar este serviço à Igreja e aos seminários do continente”, explica. 

O curso corresponde ao programa anual de atividades organizado pela OSLAM (Organização de Seminários da América Latina e Caribe), que reúne os seminários diocesanos do continente para a cooperação, diálogo e serviço entre os mesmos. 

Sua sede está no CELAM (Conferência Episcopal Latino-Americana) em Bogotá, Colômbia. 

A Igreja Católica, indica Pe. Prieto, “dá enorme importância à figura do formador, pois em suas mãos são entregues os jovens que demonstram vocação ao sacerdócio”. 

Esses jovens “chegam aos seminários para iniciar sua preparação, receber os valores correspondentes e, após nove anos de formação nos âmbitos humano, espiritual, intelectual e pastoral, ficar aptos para converter-se em ministros de Deus”. 

Nos tempos atuais, destaca, “é indispensável dispor de formadores preparados para que os jovens seminaristas cheguem a ser os pastores que o povo de Deus precisa hoje”. 

E conclui: “as vocações, na atualidade, são poucas; não obstante, se vislumbra um crescimento, como está ocorrendo em muitos países da América”.