Astrônomo jesuíta ganha prestigioso prêmio científico

Guy Consolmagno foi elogiado por mostrar de forma excepcional como a religião e a ciência podem coexistir

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) Deborah Castellano Lubov | 1156 visitas

Para dar mais uma mostra de que a Igreja não se opõe ao estudo científico, os cientistas católicos devem continuar compartilhando o seu amor pela ciência com as suas comunidades. Esta é a opinião do jesuíta e astrônomo pontifício Guy Consolmagno, recentemente premiado pela AAS (American Astronomical Society) com a medalha Carl Sagan. A entrega do prêmio a Consolmagno destacou "a excepcional comunicação de um ativo cientista planetário".

"Guy se tornou a voz de uma combinação perfeita entre a ciência planetária e a astronomia de um crente cristão", afirma a AAS em comunicado de imprensa. "Ele é uma pessoa racional que consegue mostrar aos crentes de modo excepcional como a religião e a ciência podem coexistir".

Em comunicado, a Companhia de Jesus informa que Guy Consolmagno foi premiado porque "ocupa um posição única em nossa profissão como porta-voz crível de honestidade científica dentro de um contexto de fé religiosa".

Além de conhecido como escritor e apresentador do programa de rádio da BBC "A brief history of the end of everything" ("Uma breve história sobre o fim de tudo"), Guy Consolmagno é reconhecido ainda pelas numerosas conferências que ajudam a transmitir o entusiasmo pelo método científico a um público mais amplo. Em 2014, ele fez um discurso na Universidade de Georgetown, em Washington, DC.

Guy Consolmagno se tornou jesuíta pouco antes de completar 40 anos e depois de trabalhar no Observatório da Universidade de Harvard, no MIT e no Corpo de Paz (Peace Corps). Além da educação jesuíta, que o ajudou a falar da fé de forma mais aberta, Guy Consolmagno afirmou que uma das "maiores bênçãos da minha vocação" é a "de poder me concentrar na comunicação da minha paixão pela ciência, deixando que o meu guia seja sempre a fé".

O prêmio será entregue na reunião anual da 46ª Divisão para as Ciências Planetárias em Tucson, no Arizona, em novembro. O Telescópio Vaticano de Tecnologia Avançada (VATT) se situa nas proximidades, ao sudeste das montanhas do Arizona, perto do monte Graham.