Atenção ao pensamento único globalizado, ao espírito que negocia tudo, até mesmo a fé

O Papa em Santa Marta denuncia o espírito mundano: o "espírito do progressismo adolescente" e a "globalização de uniformidade hegemônica"

Roma, (Zenit.org) Salvatore Cernuzio | 643 visitas

Que o mundanismo é um dos piores inimigos do homem, do cristão, o Papa Francisco disse mais de uma vez. Hoje em Santa Marta, o Papa foi ainda mais longe e advertiu contra o "espírito do mundo que negocia tudo" até mesmo a fé, e sua progênie. Antes de tudo o "progressismo adolescente" que, como adolescentes entusiastas, precisa ceder a tudo e tentar de tudo. E depois, a "globalização", ou, aquele pensamento único que - como afirmado por Bento XVI na Missa da Epifania de 2008:  "Não é sinônimo de ordem mundial, mas sim outra coisa”.

Devido a estes males, adverte Papa Francisco, acaba-se negociando não só os valores, mas a própria fé. E este é um risco grave. O mundanismo é, de fato, o dilema do nosso tempo, mas suas origens são antigas, desde os Macabeus. O Papa parte da primeira leitura de hoje, para explicar a "raiz perversa" do mundanismo. Nesta, alguns homens “perversos", no comando dos israelitas, convencem o povo de Deus a ir tratar com o rei, para "negociar" com as outras nações para que Israel não fosse isolada. Ao fazer isso, os israelitas abandonaram suas tradições e costumes; se “uniram às nações e se venderam para fazer o mal".

Em outras palavras, diante de uma proposta mundana - disse o Papa - o povo escolhido acaba se afastando de Deus e se aproxima do "espírito do progressismo adolescente", pelo qual se acredita que "avançar em qualquer escolha é melhor do que permanecer no hábito da fidelidade". Nessas negociações com o rei, Israel contraria a "fidelidade ao Deus sempre fiel". E isso - destaca o Papa - é chamado de "apostasia", "adultério", porque negocia "o essencial do seu ser: a fidelidade ao Senhor".

"É precisamente o fruto do diabo", acrescenta duramente Bergoglio, um fruto "do príncipe deste mundo, que nos conduz com o espírito do mundanismo". E por consequência:  "assumiram os hábitos dos pagãos" e "o rei prescreveu em todo o seu reino que todos formassem um só povo e cada um abandonasse as próprias tradições". Chegando assim a uma "globalização de uniformidade hegemônica", que - diz o Papa - "não é a bela globalização da unidade de todas as nações, em que estão unidas e cada uma tem suas próprias tradições, é precisamente o “pensamento único”: “fruto do mundanismo”.

"Todos os povos adaptaram-se às ordens do rei- continuou o Papa, referindo-se à leitura - aceitaram até mesmo o seu culto, sacrificaram ídolos e profanaram o sábado”. Por fim, o “rei suscitou uma abominável devastação sobre o altar”.

"Isso acontece até hoje!" – comentou  Bergoglio-  "porque o espírito do mundanismo ainda existe hoje, ainda hoje nos conduz neste desejo de ser progressista sobre um pensamento único. Se alguém fosse encontrado com o Livro da Aliança e se alguém obedecesse a lei, a sentença do rei o condenava a morte: e isso nós lemos nos jornais, nos últimos meses”.

"Esse povo – acrescentou- negociou a fidelidade ao seu Senhor; esse povo, movido pelo espírito do mundo, negociou a própria identidade, negociou a pertença a um povo, um povo que Deus ama tanto, que Deus quer como seu povo”.

O Papa fez referência ao romance do século XX- Mestre do Mundo- que se concentra sobre "o espírito de mundanismo que leva à apostasia". Hoje, afirma o papa, pensam que "temos de ser como todo mundo, temos que ser mais normal, como todo mundo faz, neste progressismo adolescente". Mas depois, “a história continua", ou seja, “a pena de morte, os sacrifícios humanos". "Vocês acham que hoje não existem mais sacrifícios humanos?" - pergunta o pontífice- "existem muitos, muitos! E existem leis que os protegem".

Diante deste cenário sombrio e incerto, não devemos perder a esperança. Porque- diz Bergoglio- neste "caminho de infidelidade" traçado com o "espírito do mundo" pelo "príncipe deste mundo", conforta -nos saber que “sempre está o Senhor que não pode renegar a si mesmo, o Fiel: Ele sempre nos espera, Ele ama-nos tanto, e Ele perdoa-nos quando nós, arrependidos por qualquer passo, por qualquer pequeno passo neste espírito de mundanidade, nós vamos ter com Ele, o Deus fiel perante o Seu povo que não é fiel” – disse o Papa-.

Então, exorta o Papa “com o espírito de filhos da Igreja rezemos ao Senhor para que com a Sua bondade, com a sua fidelidade nos salve deste espírito mundano que negoceia tudo; que nos proteja e nos faça andar para a frente, como fez caminhar o Seu povo no deserto, levando-o pela mão, como um pai leva o seu menino. Na mão do Senhor estamos seguros.”

(Trad.:MEM)