Atual modelo de desenvolvimento tem de ser revisto, afirma bispo

D. Carlos de Azevedo pede que se tome encargo da realidade a partir dos outros

| 1113 visitas

FÁTIMA, terça-feira, 14 de setembro de 2010 (ZENIT.org) – O atual modelo de desenvolvimento, “seja na direção política e na gestão econômica, seja nos comportamentos pessoais de cidadãos”, “tem de ser revisto”, considera o presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social da CEP (Conferência Episcopal Portuguesa), D. Carlos Azevedo.

Em conferência nesta terça-feira, em Fátima, na abertura da Semana da Pastoral Social, o bispo afirmou que “o modelo atual é injusto, indecente, desigual, desproporcionado e agrava a pobreza e a exclusão social”.

“Há uma cultura de individualismo possessivo e de satisfação exacerbada, a contrariar”, acrescentou.

Segundo o bispo auxiliar de Lisboa, “só poderemos traçar caminhos de futuro se nos detivermos a pensar em modelos humanistas”.

“Não são as pessoas que estão ao serviço da economia, mas a economia ao serviço das pessoas e dos povos, ao serviço do bem comum sem deixar de lado os vulneráveis”, afirmou.

Dom Carlos Azevedo considera que “teremos de ser os primeiros praticantes de um modelo nascido da lógica do dom e marcado pela verdade”.

“Vamos, como comunidades cristãs livres, fazer da caridade uma dimensão da nossa missão: anunciar o Reino e oferecer a graça que salva todos os que querem acolhê-la.”

O bispo considera ultrapassada “a fase de qualquer jogo político”. “Não ganhamos nada com medidas legislativas que favoreçam os nossos valores se não recuperamos a dimensão religiosa e não vencemos a crise de fé. Como se tem verificado, a secularização não baixa com políticos de centro-direita”.

“Os princípios morais têm de estar inscritos no coração das pessoas. Esse é o nosso trabalho pastoral”, disse.

“Estamos aqui reunidos porque queremos tomar encargo da realidade a partir dos outros, com infinita paixão, com criatividade e com esperança, centrados, inspirados e apoiados em Deus, como fundamento e sentido último dos nossos passos”, afirmou D. Carlos Azevedo.

A XXVI Semana da Pastoral Social decorre até 16 de setembro em Fátima, sob o tema “Dar-se de verdade – para um desenvolvimento solidário”.