Audiência de quarta-feira: o papa faz perguntas e os fiéis respondem

Francisco incentiva o diálogo com os fiéis na praça de São Pedro

Roma, (Zenit.org) Rocio Lancho García | 562 visitas

Eram quase 10h da manhã quando o santo padre chegou à praça no papamóvel. Desde as primeiras horas, ônibus de peregrinos já estacionavam nos arredores do Vaticano e os peregrinos ocupavam os lugares para tentar saudar o santo padre. Mesmo no fim de outubro, o tempo em Roma ainda permite audiências ao ar livre, sem a necessidade de transferi-las para a Sala Paulo VI, onde o espaço é bem mais limitado. Na manhã de hoje, cerca de 100.000 pessoas estiveram presentes na audiência geral.

Ao ritmo de tambores e em meio aos balões que coloriam a Praça de São Pedro, Francisco percorreu as “ruas” improvisadas entre a multidão e saudou os fiéis vindos de todo o mundo para escutar a sua catequese. Hoje, o papa propôs uma reflexão sobre a Virgem Maria como “modelo da Igreja na ordem da fé, da caridade e da união perfeita com Cristo”.

Durante o trajeto, o bispo de Roma desceu do papamóvel algumas vezes. Ele conversou durante alguns minutos com uma senhora em cadeira de rodas, a quem abraçou e deu a bênção, além de, com muita ternura, lhe colocar um chapéu. Um pouco mais adiante, um jovem também em cadeira de rodas pôde intercambiar outras palavras com Francisco.

Durante a catequese, o santo padre fez perguntas em várias ocasiões aos fiéis presentes na praça e os incentivou com gestos a responder em voz alta e com força.

“Na catequese de hoje”, disse ele, “e seguindo o concílio Vaticano II, quero refletir sobre Maria como modelo da 'Igreja na ordem da fé, da caridade e da união perfeita com Cristo'. Ela é modelo de fé não só porque, como judia, esperava o redentor, e, com seu sim, aderiu ao projeto de Deus, mas porque, desde aquele momento da vida, ela se centrou em Jesus”.

“Ela se centra em Jesus na cotidianidade de uma mulher humilde, que, no entanto, vive imersa no mistério. O seu sim, já perfeito desde o início, cresce até a cruz, em que a sua maternidade abraça todos. E é modelo de caridade, como vemos na Visitação, porque ela não apenas ajuda a prima, como também leva até ela o Cristo, a perfeita alegria que vem do Espírito e um amor oblativo”.

“Maria é modelo também de união com Cristo, seja em suas tarefas cotidianas, seja no caminho da cruz, até se unir a Ele no martírio do coração. E agora vamos nos perguntar: como é que a figura de Maria nos interpela? Apenas de longe? Recorremos a ela somente na hora da provação? Somos capazes, como ela, de amar na entrega total? Estamos unidos a Jesus, seguindo o exemplo dela, em uma relação constante, ou só nos lembramos dele na hora da necessidade?".

Ao finalizar as despedidas em diversos idiomas, o santo padre continuou saudando as pessoas, entre elas os bispos presentes, com quem intercambiou afetuosos abraços. Depois, desceu a rampa e se aproximou dos doentes, dos recém-casados e das demais pessoas que estavam nas fileiras mais próximas.