Austrália: termina o VII Congresso Mundial das Famílias

Ameaças globais preocupam

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) | 406 visitas

Terminou em Sydney, na Austrália, o VII Congresso Mundial das Famílias, realizado de 15 a 18 de maio com "o ambicioso e urgente objetivo de discutir as áreas estratégicas capazes de reforçar a família em escala global", dizem os organizadores no site do evento.

Participaram especialistas de várias áreas e procedências geográficas, abrangendo os ambientes acadêmico, empresarial, político, jurídico, da mídia, da medicina, da educação, da cultura e do entretenimento.

O Congresso Mundial das Famílias foi criado em 1997 pelo dr. Allan Carlson, do Centro Howard de Família, Religião e Sociedade, sediado em Illinois, Estados Unidos. O objetivo do congresso é a defesa da família natural.

O presidente do Pontifício Conselho para a Família, dom Vincenzo Paglia, participou do encontro com a mensagem "Sanar o casamento e a vida familiar: a solução para as mudanças sociais e econômicas".

"A família fundada no matrimônio é a base da sociedade e a escola primária de toda a vida social e dos seus objetivos", afirmou Paglia. A necessidade da estabilidade da família natural −pai, mãe, filhos− não é uma crença religiosa, explica o presidente do dicastério vaticano, nem uma instituição cristã ou imposta pela Igreja, mas sim um "fato de vida que não pode ser removido do profundo do coração e da alma de cada ser humano".

Em outro momento de seu discurso, ele ressalta que "estudos científicos demostram que o casamento constitui um valor agregado para as pessoas e para a sociedade. No matrimônio se concretiza a qualidade de relacionamento do casal, com importantes efeitos positivos, de tipo biológico, psicológico, econômico e social, para crianças e adultos".