«Batismo, grande presente e grande responsabilidade», afirma Papa

Alocução por ocasião do Ângelus

| 2069 visitas

CIDADE DO VATICANO, domingo, 11 de janeiro de 2008 (ZENIT.org).- Oferecemos a seguir o texto na íntegra da alocução do Papa por ocasião do Ângelus, pronunciada hoje perante milhares de peregrinos congregados na Praça de São Pedro.

* * *

Queridos irmãos e irmãs,

No domingo de hoje, que se segue à solenidade da Epifania, celebramos o Batismo do Senhor. Este foi o primeiro ato de sua vida pública, narrado nos quatro Evangelhos. Chegado à idade de cerca de trinta anos, Jesus deixou Nazaré, chegou ao rio Jordão e, em meio a muita gente, se fez batizar por João. O evangelista Marcos escreveu: «enquanto saiu da água viu que os céus se abriam e que o Espírito, em forma de pombo, descia sobre ele. E ouviu uma voz que vinha dos céus: “Tu és meu Filho amado, em ti me comprazo”. Nestas palavras: “Tu és meu filho amado”, revela-se o que é a vida eterna: é a relação filial com Deus, tal e como Jesus viveu e nos revelou e entregou.

Esta manhã, segundo a tradição, na Capela Sixtina, administrei o sacramento do Batismo a recém-nascidos. Aos pais, aos padrinhos e às madrinhas, o celebrante pergunta: «o que pedis à Igreja para vossos filhos?»; a sua resposta é: «O Batismo», ele replica: «E que lhes dá o Batismo?». «A vida eterna», respondem eles. Esta é a estupenda realidade: a pessoa humana, mediante o Batismo, insere-se na relação única e singular de Jesus com o Pai, de forma que as palavras que ressoaram no céu sobre o Filho Unigênito se fazem verdadeiras para cada homem e toda mulher que renasce da água e do Espírito Santo: Tu és meu Filho, o amado.

Queridos amigos, como é grande o dom do Batismo! Se nos déssemos conta plenamente, nossa vida se converteria em um “obrigado” contínuo. Que alegria para os pais cristãos, que viram surgir de seu amor esta nova criatura, levá-la à fonte batismal e vê-la renascer do seio da Igreja, para uma vida que nunca terá fim! Presente, alegria, mas também responsabilidade! Os pais, de fato, junto com os padrinhos, devem educar seus filhos segundo o Evangelho. Isto me faz recordar o tema do VI Encontro Mundial das Famílias, que acontecerá nos próximos dias no México: «A família, formadora nos valores humanos e cristãos». Este grande meeting familiar, organizado pelo Conselho Pontifício para a Família, se desenvolverá em três momentos: em primeiro lugar, o Congresso teológico-pastoral, no qual se aprofundará no tema, também mediante o intercâmbio de experiências significativas; depois, o momento de beleza e de testemunho, que fará emergir a beleza de encontrar-se entre as famílias de todas as partes do mundo, unidas pela mesma fé e o mesmo compromisso; e, finalmente, a solene Celebração Eucarística, como ação de graças ao Senhor pelos dons do matrimônio, da família e da vida. Encarreguei o cardeal secretário de Estado, Tarcísio Bertone, que me represente, mas eu mesmo seguirei com viva participação o extraordinário acontecimento, acompanhando-o com a oração e intervindo em vídeo-conferência. Desde agora, queridos irmãos e irmãs, vos convido a imprimir sobre este encontro mundial das famílias a importância das graças divinas. O fazemos invocando a materna intercessão da Virgem Maria, rainha da Família.

[Traduzido por Zenit

© Copyright 2009 - Libreria Editrice Vaticana]