Beato Ceferino é glória de um povo maltratado pela história

75º aniversário do martírio de “El Pelé” e 150º do seu nascimento

| 870 visitas

MADRI, tçera-feira, 10 de maio de 2011 (ZENIT.org) - A comunidade romena católica do mundo inteiro celebrou o Beato Ceferino Jiménez Malla - conhecido popularmente como "El Pelé" - com a 7ª Peregrinação Internacional do Povo Cigano, no 75º aniversário do seu martírio (1936) em defesa da fé. Neste ano cumprem-se também os 150 anos do seu nascimento.

"O Beato Ceferino é uma glória da Igreja para a etnia cigana", destacou Dom Ciriaco Benavente, bispo de Albacete e presidente da Comissão Episcopal de Migrações. Dom Benavente presidiu os atos celebrados no domingo 8 de maio, durante a 7ª Peregrinação Internacional do Povo Cigano.

O prelado destacou "o aumento da devoção ao beato no mundo inteiro" e, em sua homilia, sublinhou "os valores do primeiro cigano beatificado por João Paulo II, que encontrou Deus e foi um servidor da Igreja na Adoração Noturna, nas Conferências de São Vicente e como terciário franciscano".

"Ele foi a glória de um povo maltratado pela história, ao qual foram relacionados muitos estereótipos. O beato surgiu desse povo e nos enche de alegria e orgulho", acrescentou o prelado.

"Ceferino ganhou o nosso coração porque demonstrou solidariedade com todos os seus irmãos", sublinhou. Recordou também o interesse do Beato João Paulo II para que se levasse a cabo "com urgência" a primeira beatificação de um membro da comunidade cigana na história.

O bispo se referiu também à diocese de Barbastro-Monzón como "uma terra bela e santa, regada pelo sangue dos mártires, de quem se celebra o 75º aniversário".

Pela primeira vez - informou a imprensa local -, assistiram a esta festa Jesús Jiménez e seu filho José Luis, de 8 anos, "para rezar ao beato em sua capela, porque, graças à sua intercessão, meu filho foi curado de uma doença no fígado que não tinha salvação, segundo os oncologistas que o atenderam no hospital Valle de Hebrón" - explicou Jesús.

Recordou que foi em abril de 2005 quando viajou até Barbastro para invocar "El Pelé". "Todos os anos viemos com a família, mas é a primeira vez que estamos nesta festa.

Pepe Vacas, diretor do Secretariado de Pastoral Cigana, recordou o momento em que João Paulo II beatificou Ceferino, em 1997, e reconheceu suas "qualidades fora do comum".

Foi um homem que, segundo afirmou o beato pontífice naquela ocasião, "mostra, com sua vida, como Cristo está presente nos diversos povos e etnias e que todos estão chamados à santidade".