Bem-vindo, o recebe um povo que sofreu muito

Discurso do presidente do México Felipe Calderón

| 1086 visitas

SILAO, GUANAJUATO, sábado, 24 de março de 2012 (ZENIT.org) - Apresentamos o texto do discurso de boas-vindas do presidente do México, Felipe Calderón, ao Papa Bento XVI,  em sua chegada ao aeroporto internacional de Silao, Guanajuato, nesta sexta-feira, 23 março, no inicio de sua viagem apostólica ao México.


*****
Sua Santidade Bento XVI.
Distintos membros da delegação que o acompanha.
Senhor Senador José Gonzalez Morfin, presidente do Senado.
Senhor Deputado Guadalupe Acosta Naranjo, presidente da Câmara dos Deputados.
Senhor Ministro Aguirre Anguiano, representante da Suprema Corte de Justiça da Nação.
Senhor Juan Manuel Oliva Ramirez, Governador de Guanajuato.
Senhores Governadores das distintas entidades federativas da  República Mexicana.
Queridos filhos, queridas filhas.
Ilustres convidados especiais.
Senhoras e senhores dos meios de comunicação.
Senhores cardeais, arcebispos e bispos.
Mexicanos e mexicanas:


Bem-vindo ao México, Sua Santidade Bento XVI. É uma grande alegria  recebê-lo em solo mexicano.


O povo mexicano se regozija por ter aceitado o convite que em nome destes, tive a honra de lhe perguntar como Presidente da República, durante minha visita de Estado ao Vaticano.

A presença de Sua Santidade entre nós adquire um enorme significado em horas funestas, em um momento que nossa pátria atravessa situações difíceis e decisivas.

São  muitos os desafios que aos mexicanos cabe enfrentar nos últimos tempos.

O recebe, Sua Santidade, um povo que sofreu muito por diversas razões, e que apesar disso faz enormes esforços todos os dias para levar o alimento à mesa de casa, para educar os filhos,  para levar adiante a família.

O México sofreu, por exemplo, como poucos países, os efeitos da crise econômica internacional, a mais profunda que já viu a geração atual no mundo.

O México também sofre, Sua Santidade sabe, a violência cruel e gritante dos infratores.

O crime organizado infringe sofrimento ao nosso povo e mostra, hoje, um rosto sinistro da maldade como nunca antes.

Nos últimos anos, Sua Santidade, também temos sofrido com as seca e enchentes sem precedentes, fruto do dano irracional  que os seres humanos têm feito à natureza, além de epidemias e terremotos.

Não sei se estes desafios têm sido capaz de romper a vontade e a força de outros povos, mas apesar de tudo, o México está de pé. Está de pé, porque o povo mexicano é um povo forte.

Está de pé, porque o povo mexicano é um povo forte, perseverante na esperança, na solidariedade. Porque somos um povo que tem valores e princípios, que acredita na família, na liberdade, na justiça, na democracia e no amor aos demais. Em valores que são fortes como a rocha. E é por isso, que sua visita nos enche de alegria em um momento de grande tribulação.

Posso assegura-lhe, Sua Santidade, que encontrará no mexicano um povo nobre, hospitaleiro, acolhedor, alegre, que tem uma grande estima pelo Sumo Pontífice.

As mexicanas e os mexicanos compartilham com Sua Santidade o desejo de justiça e de paz  duradoura. Buscamos, todos os dias, edificar nosso caminho em direção ao bem comum da nossa querida nação, de modo que seja possível o desenvolvimento integral e humano de nossos filhos.

Trabalhamos com entrega e dedicação para construir um futuro melhor para nossas famílias, para que nossos filhos possam ser felizes e se tornem homens e mulheres de bem e de paz.

Lutamos cada dia para dar às nossas famílias condições de segurança e de vida digna e pacífica que permita o desenvolvimento pleno.

Esforçamos-nos com afinco para superar problemas como a pobreza e a desigualdade, e para criar melhores oportunidades de educação e saúde para todos.


Eu sei que a sua visita, Sua Santidade,  incentivará os esforços dos mexicanos e confortará suas almas.

Sua visita, particularmente nestas circunstâncias é um gesto de solidariedade e fraternidade com o nosso povo que nunca esqueceremos. Sabemos que o senhor é um homem de pensamento sólido, firme em suas idéias, valores e crenças, que compartilha boa parte do povo mexicano.

Sei que as suas palavras serão, também, de conforto e inspiração para aqueles que precisam, e renovará a esperança em milhões de lares no México.

Sua Santidade:

O México se sente honrado por ser a primeira nação de língua espanhola  que o senhor visita no Continente Americano.

Aqui em nosso país, somos mais de 93 milhões de católicos, além dos muitos que foram para os Estados Unidos em busca de um futuro melhor para suas famílias, que sentimos profundamente. Somos o segundo maior país católico do mundo.

Além de experiências, também, comoventes, no México foram deixados traços indeléveis de pastores que vieram à nossa terra e permearam no povo do México o mais elevado sentido de amor ao próximo e, em particular, nos indígenas.

Recordamos com afeto as figuras emblemáticas de Frei Bartolomé de las Casas, Dom Vasco de Quiroga, Tata Vasco, como carinhosamente o chamaram os purepechas; do irmão Jacobo Daciano, e muitos, muitos outros.

E, mais recentemente, em nossos dias, recebemos em tempo, a Sua Santidade João Paulo II, e hoje nós  recebemos o senhor de braços abertos.

Em uma perspectiva histórica, sua presença é um marco de grande importância, pois reflete uma nova época nas relações entre o México e o Estado do Vaticano.

O senhor visita um país onde avançamos em direção à consolidação da nossa democracia, com pleno respeito pela liberdade, a liberdade de culto, a pluralidade política, a pluralidade religiosa, a pluralidade ideológica que é possível em um Estado laico, como o que estamos.

Sua visita é motivo de grande alegria para o povo do México.

Os mexicanos o recebem com entusiasmo e emoção, com o coração nas mãos e com os braços abertos, como os mexicanos sabem fazer com quem os visitam.

Espero que a visita de Sua Santidade ilumine as almas das  mulheres e homens desta terra, em particular, as que mais sofrem, com a profundidade de seu pensamento, como homem notável e de fecunda inteligência, que sabemos  que o senhor é.

Sei que o senhor encontrará, como sempre, um povo nobre, hospitaleiro e acolhedor.

Esperamos que desfrute do México, de seus sabores, cores, tradições, músicas e, acima de tudo, do amor e do carinho que oferecem milhões de mexicanos.

Sua Santidade:

Em nome do povo e do Governo do México, reitero nosso alegre bem-vindo, e agradeço muito a sua presença.

Obrigado por estar no México.

Esperamos que tenha uma boa estada em nosso país.

Seja bem-vindo.

(Tradução:MEM)