Bem-Vindos ao Círio de Nazaré 2012

Reflexões de Dom Alberto Tavêra, arcebispo de Belém do Pará

| 805 visitas

BELÉM, segunda-feira, 24 de setembro de 2012(ZENIT.org)- Ao aproximar-se o Círio de Nazaré de 2012, a Arquidiocese de Belém se alegra ao acolher as pessoas que dele participam. O primeiro gesto de acolhida acontece entre nós, redescobrindo a cada dia o significado religioso e profundo de sermos o povo do Círio, com a responsabilidade legada pela história religiosa de nossa terra. A luz acesa pelos antepassados está agora em nossas mãos, e não podemos, por relaxamento ou omissão, profaná-la ou deixá-la apagar-se. É ainda nossa responsabilidade oferecer a todos os que nos visitam a imagem autêntica da experiência religiosa que o Círio proporciona. Entre nós e às pessoas que chegam, saibamos dizer, com todo o coração, “Feliz Círio”.

O Círio de Nazaré é um evento da Igreja Católica, sob a responsabilidade da Arquidiocese de Belém. Tornou-se também um acontecimento que atrai muitos devotos e turistas de todo o Brasil e de outras partes do mundo, aos quais queremos, com simplicidade e alegria, oferecer o que temos de melhor, nossa profissão de fé cristã e nossa devoção mariana. Os que chegam como turistas, sejam por nós ajudados a se tornarem peregrinos. Para nós, trata-se de uma verdadeira missão popular, um caminho de evangelização.

Escolhemos um tema para o Círio de Nazaré, para expressar o que queremos conhecer, viver e transmitir: “Ao Pai, por Cristo, no Espírito Santo, com Maria e do jeito de Maria”. Neste ano, o Círio é celebrado na abertura do Ano da Fé, convocado pelo Papa Bento XVI. Nossa fé cristã católica reconhece e põe em relevo a figura da Virgem Maria, sob o título de Nossa Senhora de Nazaré. Desejamos que nossa vida cristã seja um grande ato de louvor “ao Pai, por Cristo, no Espírito Santo, com Maria e do jeito de Maria”.

Nosso povo, consciente de que a lei de Deus é o que existe de melhor para a humanidade, preparou-se para o Círio com o conhecimento dos mandamentos da Lei de Deus. Mais de cem mil famílias foram visitadas, refletindo e rezando com os dez mandamentos e o novo mandamento do amor recíproco. E como sabemos que a Virgem Maria, toda revestida da Palavra de Deus, foi a primeira a viver a Lei de Deus, vamos ao Pai, por Cristo, no Espírito Santo, com Maria e do jeito de Maria. Participar das Peregrinações nas famílias é entrar no clima religioso cristão do Círio de Nazaré.

O Círio de Nazaré é uma festa distinta do Natal, na qual se põe em relevo a presença e a missão de Nossa Senhora, a Virgem Maria, no mistério de Cristo, a partir de sua vida na Sagrada Família de Nazaré. Ali, Jesus, Maria e José viveram a melhor de todas as experiências de família, para a qual todos nós olhamos confiantes, fazendo com que o Círio seja a festa da Basílica Santuário de Nazaré, das ruas de Belém e das famílias. Os que vierem de fora poderão entender-nos, quando todos voltarem pressurosos para casa, do Domingo do Círio. Faz parte do Círio, depois de celebrar a alegria de nossa fé cristã e a devoção a Nossa Senhora, compartilhar, no carinho do lar, a refeição e a vida. Nós somos assim!

Para viver o Círio de Nazaré, lembremo-nos de que o melhor de uma festa é preparar-se para ela. Nossa Igreja de Belém pede a todos os participantes do Círio que se tornem romeiros da devoção mariana e arrumem a casa de seu coração para aproveitarem todas as graças que são oferecidas por Deus. Prepara-se o Círio com uma boa confissão sacramental, em nossas Paróquias ou nos lugares de origem, para quem não vive aqui. A Basílica de Nazaré, sendo Santuário Mariano Arquidiocesano, tem à disposição os Padres Barnabitas, aos quais é confiado o seu cuidado pastoral, assim como outros sacerdotes que a ela acorrem, para receber os fiéis que querem confessar-se.

Como estamos em missão, todos podem ser evangelizadores no Círio: acolher os que chegam de longe, ajudar os promesseiros, oferecer água às outras pessoas, integrar grupos de serviço que ajudam no Círio, manter a alegria que caracteriza o povo do Pará e outros muitos gestos inspirados pelo Espírito Santo. Viver o Círio é entrar num grande mutirão de amizade e solidariedade fraterna, para que não sejam defraudadas as esperanças que se encontram nos corações das pessoas.

No coração do Círio, a transladação e o domingo, com a grande procissão, são eventos de piedade e oração. Quanto cantamos, rezamos o terço, gritamos vivas, acompanhamos as homenagens a Nossa Senhora ou caminhamos, tudo é um grande hino de louvor a Deus e de homenagem à Virgem Maria, modelo de fé para todos os cristãos.

Para quem não nos conhece, apresentemos com alegria os ícones do Círio, como a imagem de Nossa Senhora de Nazaré, na belíssima berlinda que a conduz, os promesseiros, a corda.

A corda! Para muitos que nos veem de longe, pode parecer curiosidade ou folclore. Para nós, a corda é expressão de nosso desejo de estar perto da Virgem Maria e uns dos outros. Mas até descobrimos que o Senhor mesmo quer envolver-nos com carinho, para que dele não nos afastemos: “Sim, fui eu quem ensinou Efraim a andar, segurando-o pela mão. Só que eles não percebiam que era eu quem deles cuidava. Eu os lacei com laços de amizade, eu os amarrei com cordas de amor; fazia com eles como quem toma uma criança ao colo e a traz até junto ao rosto. Para dar-lhes de comer eu me abaixava até eles” (Os 11, 3-4).

Mas certamente deixará marcas em nosso coração o grande ícone de nossa devoção, que é o povo de Deus em Romaria, a multidão, os olhares, a vida. E para nós ou as pessoas que quiserem permanecer conosco depois do segundo domingo de outubro, seguem-se duas semanas de oração e formação cristã para todo o povo de Deus! Feliz e santo Círio de Nazaré para todos!

Dom Alberto Taveira Corrêa

Arcebispo Metropolitano de Belém