Bendita entre as mulheres

Chegou a hora em que a vocação da mulher se realiza em plenitude, a hora em que a mulher adquire no mundo uma influência, um alcance, um poder jamais alcançados até agora

Belém do Pará, (Zenit.org) Dom Alberto Taveira Corrêa | 903 visitas

Todos os homens e mulheres foram criados por Deus para o glorificarem e serem felizes e realizados. A própria glória de Deus se manifesta no ser humano vivo! Ninguém foi destinado à perdição e à condenação. O Bom Pastor, que é Jesus, quer tomar sobre os ombros as ovelhas, com especial atenção àquelas que porventura se desgarrarem do rebanho. O olhar de ternura com que envolve a todos é referência para cada um de nós, a fim de que sejam inclusivas nossas palavras e atitudes.

Mas não contradiz a visão igualitária da criação do ser humano afirmar, como queremos fazer no final de semana em que se celebra o dia das mães, que o Pai do Céu caprichou com imenso carinho ao criar a mulher. Jocosamente, alguém já disse que desejou aperfeiçoar a sua obra, depois de ter criado o varão! Beleza, ternura, fortaleza, perseverança. Tantas mulheres são escolas vivas do Evangelho, livros abertos para que as lições do modo divino de viver se espalhe no mundo.

Há algumas características no ser feminino que vêm em relevo e é tempo de manifestá-las. “Chegou a hora em que a vocação da mulher se realiza em plenitude, a hora em que a mulher adquire no mundo uma influência, um alcance, um poder jamais alcançados até agora. Por isso, no momento em que a humanidade conhece uma mudança tão profunda, as mulheres iluminadas do espírito do Evangelho tanto podem ajudar para que a humanidade não decaia” (Cf. Mensagem final do Concílio Vaticano II).

João Paulo II, na Carta Apostólica Mulieris dignitatem, diz magistralmente: “Contemplando esta Mãe (Maria), cujo coração foi traspassado por uma espada (cf. Lc 2, 35), o pensamento se volta a todas as mulheres que sofrem no mundo, que sofrem no sentido tanto físico como moral. Neste sofrimento, uma parte é devida à sensibilidade própria da mulher; mesmo que ela, com frequência, saiba resistir ao sofrimento mais do que o homem. É difícil enumerar estes sofrimentos, é difícil nomeá-los todos: podem ser recordados o desvelo maternal pelos filhos, especialmente quando estão doentes ou andam por maus caminhos, a morte das pessoas mais queridas, a solidão das mães esquecidas pelos filhos adultos ou a das viúvas, os sofrimentos das mulheres que lutam sozinhas pela sobrevivência e os das mulheres que sofreram uma injustiça ou são exploradas. Existem, enfim, os sofrimentos das consciências por causa do pecado, que atingiu a dignidade humana ou materna da mulher, as feridas das consciências que não cicatrizam facilmente. Também com estes sofrimentos é preciso pôr-se aos pés da Cruz de Cristo” (Mulieris Dignitatem 19).

À capacidade para enfrentar os sofrimentos acrescenta-se uma genuína vocação ao amor. É ainda a João Paulo II que recorremos: “A dignidade da mulher está intimamente ligada com o amor que ela recebe pelo próprio fato da sua feminilidade e também com o amor que ela, por sua vez, doa. Confirma-se assim a verdade sobre a pessoa e sobre o amor. Acerca da verdade da pessoa, deve-se uma vez mais recorrer ao Concílio Vaticano II: ‘O homem, a única criatura na terra que Deus quis por si mesma, não pode se encontrar plenamente senão por um dom sincero de si mesmo’. Isto se refere a todo homem, como pessoa criada à imagem de Deus, quer homem quer mulher. A afirmação de natureza ontológica aqui contida indica também a dimensão ética da vocação da pessoa. A mulher não pode se encontrar a si mesma senão doando amor aos outros” (Mulieris Dignitatem 30).

A estes dons se acrescente a maternidade, com toda a intimidade e sadia cumplicidade vital entre a mãe e os filhos que geram. É maravilhoso ouvir as experiências de mães bem conscientes de que na gravidez não acompanham uma parte de seu corpo, mas outra vida, com igual dignidade, prontas a oferecer à família, à Igreja e ao mundo a criatura que nela se desenvolve, dando tudo de si para alimentar, acalentar e levar à luz um homem ou uma mulher.

Mês de Maio, mês das Mães, Mês de Maria. Se as mulheres são hoje postas em relevo, não se pode esquecer a Mãe das Mães, Maria, bendita entre todas as mulheres da terra. Para ela se voltaram todas as bênçãos de Deus, quando foi escolhida para ser a Mãe do Redentor. Sabedora de sua humildade, sua alma exultou de alegria e, desde o Magnificat primeiro, não cessa de proclamar no Céu e, através da voz da Igreja, aqui na terra, as obras de amor realizadas por Deus.

O mistério da maternidade mariana se mostra também, de forma impressionante, na devoção do povo de Deus a Nossa Senhora, em seu título de Fátima, celebrado neste ano de 2013 no dia dedicado às mães, segundo domingo de maio. A solicitude do Eterno Pai permitiu que a mãe de seu Filho amado fosse chamada com tantos e belos títulos, nos quais se expressam sentimentos humanos, lugares de Devoção e, mais ainda, títulos a ela atribuídos pela participação no mistério de Cristo descrito nos Evangelhos. Da Maria de Nazaré, passando por Belém, por Caná ou o Cenáculo, Maria da Ressurreição e do Pentecostes, Maria Mãe da Igreja, a ela recorremos, pedindo que sejamos todos dignos das promessas de Cristo. A ela recorremos, confiando confiantes nossas Mães àquela que é Mãe de Cristo. Podemos dizer com o mês de Maio: Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós! Nossa Senhora da Visitação, rogai por nós!

Dom Alberto Taveira Corrêa

Arcebispo Metropolitano de Belém