Benin: apelo ao diálogo, à paz e à confiança mútua

Mensagem da Conferência dos Bispos do país africano

Roma, (Zenit.org) Redacao | 465 visitas

Os bispos católicos do Benin lançaram "um premente apelo ao diálogo, à paz e à confiança mútua, visando a coesão nacional". O apelo foi endereçado "a cada filho e filha deste país, aos agentes políticos e líderes da sociedade civil, e, em particular, ao novo governo recém-formado".

Na mensagem, que traz a data de 15 de agosto, solenidade da Assunção de Maria, a Conferência dos Bispos do Benin aborda a crise sócio-política que o país africano está atravessando e a proposta de revisão da constituição, apresentada ao parlamento em 6 de junho.

A preocupação dos líderes da Igreja católica no Benin é o "clima de fortes tensões, divisões abertas e profundo mal-estar" que o país está enfrentando, especialmente "o mal-estar político" e a falta de diálogo.

"A verdadeira comunicação está ausente, é seletiva às vezes, mas é sempre marcada pela desconfiança e pelas suspeitas", escreveram os bispos, lembrando a "receita" simples dada pelo papa Francesco à classe dirigente brasileira por ocasião da Jornada Mundial da Juventude de 2013 no Rio de Janeiro: "diálogo, diálogo, diálogo".

Para os bispos católicos do Benin, o diálogo serve para restaurar a confiança, "que aglutina todas as relações de cooperação e de solidariedade. O nosso povo tem sede de dirigentes semeadores de confiança e de esperança, capazes de mobilizar as nossas energias e as nossas mentes para construirmos juntos um futuro melhor".

Para os bispos do Benin, o projeto de reforma constitucional, que visa fortalecer o poder do presidente da República e do Tribunal Constitucional, ameaça a coesão nacional, que é essencial para enfrentar os problemas reais da nação: em primeiro lugar, "a pobreza, ou pior, a miséria de grande parte da população" e o crescente desemprego juvenil.

"A Igreja não oferece uma solução técnica ou política", ressaltam os prelados, mas "tem o dever moral de lembrar que, numa democracia, nenhuma reforma que aumenta as tensões e as oposições jamais trouxe benefícios a um povo".

Diante desses desafios, de acordo com a conferência episcopal, é preciso estar atentos para "construir a coesão nacional em espírito de serviço, mobilizando as várias correntes de ideias e sensibilidades, até mesmo as mais opostas, com a preocupação constante do bem de cada um e de todos".

A mensagem, que termina invocando a intercessão de Maria, relembra a advertência de Bento XVI à classe dirigente do Benin durante a sua viagem apostólica de 2011, quando o papa disse: "Não privem o seu povo da esperança! Não amputem o futuro do povo mutilando o seu presente".

Para ler o texto completo da mensagem, em francês, acesse:

http://www.diocese-cotonou.org/Message-de-la-Conference.html