Bento XVI: “A busca de Deus requer uma cultura da palavra”

Em carta pela reabertura da Biblioteca Apostólica Vaticana

| 908 visitas

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 12 de novembro de 2010 (ZENIT.org) - “A busca de Deus requer como exigência intrínseca uma cultura da palavra”, escreve Bento XVI em uma carta enviada ao bibliotecário e responsável pelos arquivos da Igreja Santa Romana, o cardeal Raffaele Farina, ante a abertura recente da Biblioteca Apostólica Vaticana. 

A biblioteca, que o pontífice visitará no próximo dia 18 de dezembro, foi fechada em 14 de julho de 2007 para permitir os trabalhos de reestruturação e restauração numa ala do edifício do século XVI que a abriga.

Na carta, o papa lembra que “a Igreja de Roma está ligada, desde seus inícios, aos livros – os da Sagrada Escritura, em primeiro lugar, e, depois, os teológicos e relativos ao governo e a disciplina – numa continuidade que parte de Pedro até a Igreja do século XX.

Por isso, acrescenta, a Biblioteca Apostólica, como o vizinho Arquivo secreto, é parte integrante dos “instrumentos necessários para o desenvolvimento do ministério petrino”.

E é também “um meio precioso ao qual o Bispo de Roma não pode nem pretende renunciar, por ter, ao considerar os problemas, essa referência que permite captar uma perspectiva de longo prazo, as raízes remotas das situações e suas evoluções no tempo”.

Bento XVI destaca que, além disso, a Biblioteca Apostólica “conserva, desde sua origem, a inconfundível abertura verdadeiramente ‘católica’, universal, a toda a beleza, bondade, nobreza e dignidade (cf. Fil 4,8) que a humanidade produziu ao longo dos séculos”, não somente com relação à teologia ou à religião.

“Essa abertura ao humano - define Bento XVI- não se dirige somente ao passado mas se refere também ao presente”.

Por isso, na Biblioteca Vaticana, “todos os que buscam a verdade são sempre acolhidos com atenção e respeito, sem nenhuma discriminação por confissão ou ideologia; deles só se requer a boa fé de uma investigação séria, desinteressada e qualificada”.

A Biblioteca Vaticana, conclui o Papa, como “lugar no qual as palavras humanas mais elevadas são recolhidas e conservadas” é, portanto, “espelho e reflexo da Palavra de Deus”.

A idéia da Biblioteca Vaticana nasceu em 1450, graças ao Papa Nicolau , que começou colocando à disposição sua própria coleção pessoal constituída por algumas centenas de manuscritos, que foi o primeiro núcleo da futura biblioteca.

A fundação atual ocorreu sob o Papa Sixto IV della Rovere.

A Biblioteca Apostólica Vaticana é uma das mais antigas do mundo. É conhecida sobretudo por suas coleções de manuscritos de todas as épocas.