Bento XVI aconselha ler a Bíblia todos os dias

Ao tirar as lições deixadas por São Jerônimo

| 1232 visitas

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 14 de novembro de 2007 (ZENIT.org).- Bento XVI pediu a todos os fiéis que leiam a Bíblia todos os dias.



Foi o conselho que deixou às 25 mil pessoas congregadas nesta quarta-feira na Praça de São Pedro do Vaticano para participar da audiência geral.

Em sua intervenção, o pontífice apresentou os ensinamentos deixados por São Jerônimo (347-419/420), um dos maiores biblistas de todos os tempos, tradutor da versão em latim das Escrituras, cuja biografia já havia ilustrado em sua anterior reunião semanal com os peregrinos (cf. Zenit, 7 de novembro de 2007).

Aproximar-se dos textos bíblicos, sobretudo ao Novo Testamento, é essencial para o crente, pois «ignorar a Escritura é ignorar Cristo», explicou o Papa, recordando uma célebre frase de Jerônimo, citada pelo Concílio Vaticano II na Constituição «Dei Verbum».

«Enamorado» da Palavra de Deus, Jerônimo se perguntava: «Como é possível viver sem a ciência das Escrituras, através das quais se aprende a conhecer o próprio Cristo, que é a vida dos crentes?», recordou o bispo de Roma.

A Bíblia, instrumento «com o qual cada dia Deus fala aos fiéis», indicou o Papa, «converte-se dessa forma em estímulo e manancial da vida cristã para todas as situações e para toda pessoa».

«Ler a Escritura é conversar com Deus», explicou. E para ser mais claro, citou novamente o santo: «Se rezas – escreve a uma jovem nobre de Roma – falas com o Esposo; se lês, é Ele quem te fala».

O pontífice recordou que para Jerônimo «um critério metodológico fundamental na interpretação das Escrituras era a sintonia com o magistério da Igreja».

«Por nós mesmos nunca podemos ler a Escritura. Encontramos muitas portas fechadas e caímos em erros. A Bíblia foi escrita pelo Povo de Deus e para o Povo de Deus, sob a inspiração do Espírito Santo», explicou Bento XVI.

«Só nesta comunhão com o Povo de Deus podemos entrar realmente com o ‘nós’ no núcleo da verdade que o próprio Deus quer nos dizer.»

«Para ele, uma autêntica interpretação da Bíblia tinha de estar sempre em harmonia com a fé da Igreja Católica», indicou.

«Dado que Jesus Cristo fundou sua Igreja sobre Pedro», segundo Jerônimo, todo cristão «deve estar em comunhão ‘com a Cátedra de são Pedro’», pois «‘eu sei que sobre esta pedra está edificada a Igreja’».

Portanto, o santo declarava: «Estou com quem estiver unido à Cátedra de São Pedro».

A leitura da Escritura leva o santo a entregar-se aos demais: é necessário, diz, «vestir Cristo nos pobres, visitá-lo nos que sofrem, dar-lhe de comer nos famintos, acolhê-lo nos que não têm um teto».

A Palavra de Deus, concluiu o Papa, sintetizando a vida e os ensinamentos de Jerônimo, «indica ao homem os caminhos da vida, e lhe revela os segredos da santidade».

Com sua meditação, o sucessor de Pedro continuou com suas intervenções sobre as grandes figuras das origens da Igreja.