Bento XVI celebra missa pelos cardeias e bispos defuntos

Reflexão sobre a ressurreição de Jesus, o mistério de sua morte e o despertar de sua vida imortal

| 988 visitas

ROMA, quinta-feira 03 de outubro de 2011- O Santo Padre Bento XVI,celebrou nesta quinta feira, 03 de novembro, missa pelos cardeais e bispos que no último ano, "concluíram suas peregrinações terrenas", Urbano Navarrete, S.I.,Michele Giordano, Varkey Vithayathil, C.SS.R., Giovanni Saldarini, Augustín García-Gasco Vicente, Georg Maximilian Sterzinsky, Kazimierz Swiatek, Virgílio Noè, Aloysius Matthew Ambroziac e Andrzej Maria Deskur, convidando a rezar, animados pela fé na vida e no mistério da comunhão dos santos.Em sua homilia fez reflexões sobre a ressurreição de Jesus, o mistério de sua morte e o despertar de sua vida imortal.

Nossos pensamentos e sentimentos diante da morte

" Jesus foi ao encontro da paixão, com decisão pegou a via da cruz; Ele falava abertamente aos seus discípulos sobre aquilo que deveria acontecer em Jerusalém", e continuou:" O filho do homem será entregue nas mãos dos homens, e o matarão; e morto ele, ressucitará ao terceiro dia".(Mc, 9:31) e seus discípulos não entendiam esta palavra e receavam interrogá-lo. "Nós também diante da morte, não podemos não provar os sentimentos e pensamentos ditados em nossa condiçã humana. E assim se faz próximo a nós e nos surpreende."Cristo assume até o fim nossa carne imortal para que essa seja investida da gloriosa potência de Deus, do vento do Espírito vivificante que a transforma e regenera."

A morte de Cristo como fonte de vida

" Deus versou todo seu amor, como uma imensa cascata, que nos lembra a imagem contida no salmo 41: Um abismo chama outro abismo, ao ruído das tuas catadupas; todas as ondas e vagas têm passado sobre mim. O abismo da morte é preenchido de um outro abismo, ainda maior, que é aquele do amor de Deus, assim a morte não tem mais nenhum poder sobre Jesus Cristo (Rm 8,9), nem sobre aqueles que, pela fé e pelo Batismo, estão asociados a Ele: Se morremos com Cristo -diz São Paulo- acreditamos que também viveremos com ele (Rm 8,8). Este " Viver com Jesus" é o cumprimento da esperança de Oséias: "...e nós viveremos na sua presença" (6,2).

A graça e a fidelidade

" O intervento de Deus na história humana não obedece a nenhum ciclo natural, abedece somente à sua graça e sua fidelidade. A vida nova e eterna é fruto da árvore da cruz, uma árvore que floresce e frutifica pela luz e pela força que provém somente de Deus. Sem a cruz de Cristo, toda a energia da natureza permanece impotente diante da força negativa do pecado."

E terminou pedindo por intercessão de Nossa Senhora: "...que este mistério de comunhão, que preencheu toda a existência deles, se cumpra plenamente em cada um."