Bento XVI convoca terço inédito de universitários pela África

O encontro unirá a Roma numerosas cidades do continente, via satélite

| 1017 visitas

CIDADE DO VATICANO, domingo, 4 de outubro de 2009 (ZENIT.org).- Bento XVI convocou, neste domingo, um inédito terço que será rezado por jovens universitários pela África, no dia 10 de outubro, em concomitância com o Sínodo dos Bispos desse continente, que foi inaugurado no Vaticano.

Como o pontífice explicou neste domingo após a oração do Ângelus, este terço "com a África e pela África", unirá via satélite estudantes de várias cidades africanas.

"Queridos jovens universitários - exortou o bispo de Roma aos jovens -, espero que sejais numerosos para confiar a Maria, sede de sabedoria, o caminho da Igreja e da sociedade no continente africano."

Segundo explicou à Zenit Dom Lorenzo Leuzzi, diretor do Escritório Diocesano para a Pastoral Universitária de Roma, o evento unirá, graças às novas tecnologias, as cidades africanas do Cairo (Egito), Nairóbi (Quênia), Jartum (Sudão), Antananarivo (Madagascar), Joanesburgo (África do Sul), Onitsha (Nigéria), Kinshasa (República Democrática do Congo), Maputo (Moçambique) e Uagadugu (Burkina Faso).

Os jovens universitários se encontrarão, junto com seus pastores e outras pessoas, em sua cidade: não somente poderão ver o Papa, mas em alguns momentos este também poderá vê-los.

O Santo Padre participará, da Sala Paulo VI, às 17h (hora local), e será animado pela Orquestra Nacional dos Conservatórios de Música e pelos Corais dos Conservatórios das Universidades Italianas.

"Será um momento importante de reflexão, mas sobretudo de comunhão e de oração com os universitários africanos", explica Dom Leuzzi.

Segundo o sacerdote, este terço "é importante especialmente para testemunhar que o Evangelho é capaz de orientar a cultura, algo que se confia de maneira especial aos jovens universitários", para "promover um desenvolvimento humano verdadeiramente integral".

O terço, conclui, mostrará como "o Evangelho é verdadeiramente capaz de unir as culturas, mas principalmente de orientar a construção do bem comum".