Bento XVI cumprimenta prostituta recém-libertada

Anima a Comunidade Papa João XXIII a continuar com o espírito do Pe. Benzi

| 1565 visitas

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 4 de novembro de 2009 (ZENIT.org).- Bento XVI cumprimentou hoje uma mulher nigeriana, recém-libertada da escravidão da prostituição, graças à obra da Comunidade Papa João XXIII.

No final da audiência geral, realizada na Praça de São Pedro, a jovem se converteu em porta-voz de histórias de dor e esperança de pobres, deficientes, pessoas abandonadas ou desesperadas, que dão vida a esta realidade católica espalhada pelo mundo inteiro.

A jovem veio ao Vaticano, junto a um grupo de 3 mil pessoas da Comunidade Papa João XXIII, para recordar os dois anos do falecimento do seu fundador, o sacerdote italiano Oreste Benzi (1925-2007).

Este sacerdote tornou-se mundialmente conhecido pelo seu trabalho de ajudar as pessoas a saírem das correntes da prostituição e das drogas.

A Comunidade Papa João XXIII, criada em 1968, é uma associação privada de fiéis de direito pontifício, com mais de 600 centros em 30 países, que atende diariamente cerca de 41 mil pessoas.

Bento XVI, na saudação aos membros da comunidade, recordou o segundo aniversário de falecimento do Pe. Benzi e, dirigindo-se aos seus “queridos amigos”, desejou que “a fecunda herança espiritual deste benemérito sacerdote seja para vós um estímulo para fazer frutificar na Igreja e no mundo a providencial obra que ele começou a favor dos últimos da nossa sociedade”.

“Com alegria vos acompanho com a oração”, concluiu o Papa.

O Pe. Benzi apresentou a João Paulo II, em várias ocasiões, algumas das moças que sua comunidade havia conseguido libertar da prostituição. No dia 15 de maio de 2002, ele participou de uma audiência oferecida pelo pontífice, acompanhado de centenas dessas moças.