Bento XVI: Deus tem um projeto para seus amigos

Intervenção durante a oração do Ângelus

| 1272 visitas

CIDADE DO VATICANO, domingo, 2 de outubro de 2011 (ZENIT.org) – Apresentamos, a seguir, as palavras que Bento XVI dirigiu hoje aos peregrinos reunidos na Praça de São Pedro para a oração mariana do Ângelus.

***

Queridos irmãos e irmãs:

O Evangelho deste domingo termina com uma advertência de Jesus, particularmente severa, dirigida aos chefes dos sacerdotes e aos anciões do Povo: “Por isso vos digo: o Reino de Deus vos será tirado e entregue a um povo que produza frutos” (Mt 21,43). São palavras que fazem pensar na grande responsabilidade de quem, em cada época, está chamado a trabalhar na vinha do Senhor, especialmente com função de autoridade, e impusionam a renovar a plena fidelidade a Cristo. Ele é “a pedra que os construtores rejeitaram” (cf. Mt 21,42), porque o julgaram como inimigo da lei e perigoso para a ordem pública, mas Ele mesmo, rejeitado e crucificado, ressuscitou, tornando-se a “pedra angular” na qual podem se apoiar com absoluta segurança os fundamentos de cada existência humana e do mundo inteiro. Desta verdade fala a parábola dos vinhadores infiéis, aos quais um homem havia confiado sua própria vinha, para que a cultivassem e recolhessem os frutos. O proprietário da vinha representa o próprio Deus, enquanto a vinha simboliza o seu povo, assim como a vida que Ele nos doa, para que, com sua graça e o nosso compromisso, façamos o bem. Santo Agostinho comenta que “Deus nos cultiva como um campo para nos tornarnos melhores” (Sermão 87, 1, 2: PL 38, 531).

Deus tem um projeto para os seus amigos, mas infelizmente a resposta do homem se orienta frequentemente à infidelidade, que se traduz em rejeição. O orgulho e o egoísmo impedem de reconhecer e acolher inclusive o dom mais valioso de Deus: seu Filho unigênito. Quando, de fato, “enviou-lhes o seu filho – escreve o evangelista Mateus – [os trabalhadores] agarraram-no, lançaram-no fora da vinha e o mataram (Mt 21,37.39). Deus se coloca nas nossas mãos, aceita fazer-se mistério insondável de fraqueza e manifesta sua onipotência na fidelidade a um desígnio de amor que no final prevê também a justa punição para os malvados (cf. Mt 21,41).

Firmemente ancorados na fé na pedra angular que é Cristo, permaneçamos nele como o ramo que não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Somente n'Ele, por Ele e com Ele é que se constrói a Igreja, povo da Nova Aliança. A respeito disso escreveu o servo de Deus Paulo VI: “O primeiro fruto da tomada de consciência mais profunda da Igreja quanto a si mesma é a descoberta renovada da sua relação vital com Cristo, coisa bem conhecida, mas fundamental, indispensável, e nunca suficientemente compreendida, meditada e pregada” (Enc. Ecclesiam suam, 6 agosto 1964: AAS 56 [1964], 622).

Queridos amigos, o Senhor sempre está perto e é operante na história da humanidade, e nos acompanha também com a singular presença dos seus anjos, que hoje a Igreja venera como “da guarda”, isto é, ministros da divina presteza por cada homem. Desde o início até a hora da morte, a vida humana está cercada pela sua incessante proteção. E os anjos coroam a Augusta Rainha das Vitórias, a Bem-Aventurada Virgem Maria do Rosário, que, no primeiro domingo de outubro, precisamente neste momento, do Santuário de Pompeia e do mundo inteiro, acolhe a súplica fervente para que o mal seja abatido e se revele, em plenitude, a bondade de Deus.

[Tradução: Aline Banchieri.

©Libreria Editrice Vaticana]