Bento XVI, hóspede da Universidade do Sacro Cuore

No próximo dia 3 de maio o Papa irá ao Gemelli para celebrar o 50 º aniversário da Faculdade de Medicina

| 730 visitas

Salvatore Cernuzio

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 14 de março de 2012 (ZENIT.org) - Uma surpresa agradável para os estudantes, os professores e o pessoal técnico-administrativo da Faculdade de Medicina e Cirurgia da Universidade Católica do Sacro Cuore de Roma.

Quinta-feira, 3 de maio de 2012, às 11hs, Bento XVI vai visitar a sede do Ateneu, no hospital Gemelli, para celebrar o 50 º aniversário da instituição da Faculdade, onde, segundo relatos da Sala de Imprensa da Santa Sé nesta manhã, está previsto também um discurso.

Trata-se de um novo compromisso com o Papa para a Universidade Católica: já no ano passado, 21 de maio de 2011, de fato, o Papa tinha recebido em audiência, na Sala Paulo VI, os cerca de 7.000 dirigentes, estudantes e professores do Ateneu, por ocasião do aniversário da sua fundação, acontecida 90 anos antes, sob a iniciativa do Instituto Giuseppe Toniolo, por instituição do Padre Agostinho Gemelli. Para o Papa, no entanto, será a primeira vez que cruzará as portas de uma Faculdade do Policlínico Universitário. Outros encontros aconteceram, de fato, no Hospital Gemelli: como uns quatro, dos quais o último, no dia 5 de janeiro de 2011, na vigília da Epifania, com a visita às crianças internadas na pediatria do Hospital.

Naquela ocasião, o Papa Ratzinger tinha também abençoado o Centro para a cura da espinha bífida, malformação congênita da coluna vertebral e da medula espinhal, e depois também entregou doces e presentes natalinos às crianças.

No dia 9 de janeiro de 2010, no entanto, o Papa surpreendeu a todos com uma visita surpresa ao Cardeal Roger Etchegaray, internado no nono andar do Hospital depois de uma fratura relatada após a tentativa de agressão sofrida pelo mesmo Papa na véspera de Natal.

Recebido às 19hs por Lorenzo Ornaghi, reitor da Universidade Católica, e pelo Professor Cesare Catananti, Diretor do Policlínico A. Gemelli, o Santo Padre, ficou cerca de meia hora numa conversa muito amigável com o cardeal sentado num sofá e saindo cumprimentou também alguns pacientes.

Ainda mais cedo, na tarde do 05 de agosto de 2005, o Pontífice, deixou por algumas horas a residência de verão de Castelgandolfo, para visita ao Gemelli e para visitar o seu irmão Georg Ratzinger, submetido a uma cirurgia cardiologia e, no dia 25 de novembro do mesmo ano, voltou para a inauguração do ano acadêmico da Universidade Católica do Sacro Cuore.

Não podemos esquecer que o Policlínico Gemelli foi o primeiro destino do Papa João Paulo II fora das fronteiras do Vaticano. Na tarde do 18 de outubro de 1978, apenas dois dias depois da sua eleição como Papa, o Beato Wojtyla quis visitar um velho amigo que há muito residia em Roma, o monsenhor polonês Andrzej Deskur, futuro Cardeal, internado ali, criando muita agitação ao redor.

A memória coletiva nos lembra com tristeza que João Paulo II não veio ao Gemelli só para visitar os doentes e o pessoal: também ele foi internado ali nove vezes durante os anos do seu pontificado, num total de 153 dias e 152 noites.

Graças à generosidade dos diretores do Gemelli, foi, de fato, organizado no décimo andar um mini-apartamento, que se tornaria familiar para o beato, tanto que, em 1996, aproximando-se da janela do seu escritório, dirá essa famosa piada: “O Vaticano Um está na Praça de São Pedro, o Vaticano Dois está em Castelgandolfo, o Vaticano Três tornou-se o Policlínico Gemelli”

 [Tradução Thácio Siqueira]