Bento XVI mostra sua alegria pela beatificação do confessor de Santa Faustina Kowalska

| 460 visitas

CASTEL GANDOLFO, domingo, 28 de setembro de 2008 (ZENIT.org).- O Papa Bento XVI dedicou hoje, durante a saudação aos peregrinos reunidos em Castel Gandolfo para a oração do Ângelus, um pensamento especial ao novo beato Michał Sopoćko, propagador do culto à Divina Misericórdia.

O Papa cumprimentou as dioceses polonesas de Białystok e de Vilna, que celebram a beatificação do sacerdote Michał Sopoćko, confessor e pai espiritual de Santa Faustina Kowalska.

«Por sugestão sua, a santa descreveu suas experiências místicas e as aparições de Jesus misericordioso em seu conhecido ‘Diário’. Também, graças aos seus esforços, foi pintada e transmitida ao mundo a imagem com a frase ‘Jesus, eu confio em vós’», acrescentou.

Sopoćko foi, segundo o Papa, um «sacerdote repleto de zelo, educador e propagador do culto à Divina Misericórdia».

Desta beatificação, acrescentou, «se alegra, lá na casa do Pai, meu amado predecessor, o servo de Deus João Paulo II. Foi ele quem confiou o mundo à Divina Misericórdia e por isso eu repito seu desejo a todos: ‘Que Deus rico em misericórdia vos abençoe!’».

Michał Sopoćko nasceu no dia 1º de novembro de 1888, em Juszewszczyzna (um povoado próximo de Vilna), e foi ordenado sacerdote em 1914. Foi capelão do exército polonês durante a I Guerra Mundial.

Ele se converteu em confessor de Santa Faustina em 1933. O culto à Divina Misericórdia se converteu na idéia-chave da sua vida, e ele lutou por instituir a festa da Divina Misericórdia.

Durante a II Guerra Mundial, ele ajudou pessoas perseguidas pelo regime nazista, entre elas vários judeus, e fundou uma nova congregação religiosa, as Irmãs de Jesus Misericordioso, e o Instituto Secular da Divina Misericórdia.

Ele morreu no dia 15 de fevereiro de 1975, em Białystok.