Bento XVI na Praça da Espanha a bordo do novo Papamóvel

Multidão em festa acolheu o Papa

| 1233 visitas

ROMA, segunda-feira, 10 de dezembro de 2012 (ZENIT.org) – Bento XVI na tarde da Solenidade da Imaculada, foi à Praça da Espanha, onde o esparava grande multidão, ao som do Tu es Petrus interpretado pelo coro da capela Sixtina.

Chegou no novo Papamóvel, Mercedes Classe M, com características que o permitem chegar mais perto da multidão. Foi um presente da Fábrica alemã que se renova desde 1930, quando a Limousine Nurburg 460 foi doada ao Papa Pio XI.

“É sempre uma alegria – disse o Papa – reunir-nos aqui, encontra-nos todos – romanos, peregrinos e turistas – aos pés da nossa Mãe espiritual, que nos faz sentir-nos unidos no sinal da fé”.

Depois do seu discurso, no qual lembrou como a salvação do mundo não é obra do homem, da ciência, da técnica ou das ideologias, mas da graça de Deus, que é “a única que pode preencher os vazios que o egoísmo provoca nas pessoas, nas famílias e nas nações” e criticou os “falsos remédios” que o mundo propõe para preencher estes vazios; depois abençoou o ramalhete de flores em honra da Imaculada e se aproximou para colocá-lo aos seus pés, enquanto o coro da Capela Sixtina cantava a ladainha Lauretana.

Diante dessa praça se encontra a embaixada da espanha junto à Santa Sé, conseguida no 1647 da coroa espanhola. O embaixador, o madrilenho Eduardo Gutierrez Saenz de Buruaga, explicou a ZENIT que “o Papa não entra, mas chega ad portas, um longa tradição iniciada quando, na metade do XIX século, Papa Pio IX inaugurou o monumento da Imaculada. Foi um reconhecimento por tudo o que a Espanha, o rei e o povo espanhol fizem para apoiar o dogma da Imaculada Conceição”. Sobre a presença espanhola em Roma o embaixador disse que “o rei é protocanônico da Basília de Santa Maria Maior”, e acrescentou que “relativamente a esta basílica temos uma grande tradição que recentemente, graças ao cardeal Santos Abril e Castello, foi reforçada e por isso somos muito gratos”.

(Tradução e Adaptação TS)