Bento XVI pede à ONU combate à pobreza

Espera que reunião de líderes traga compromisso de justa distribuição de recursos

| 1642 visitas

CIDADE DO VATICANO, domingo, 14 de junho de 2009 (ZENIT.org).- Bento XVI pediu à conferência que a ONU convocou que ofereça respostas à crise econômica e financeira e tome decisões valentes que acabem com o “inaceitável” escândalo da fome.

O pontífice pediu que a reunião de líderes, que se celebrará de 24 a 26 de junho em Nova York, promova a luta contra pobreza com “uma justa distribuição do poder de decisão e dos recursos”.

Antes de despedir-se dos milhares de peregrinos congregados hoje na praça de São Pedro, o Papa sublinhou a importância desse encontro que, como disse um comunicado nas Nações Unidas, busca “analisar a pior crise econômica que o mundo viveu desde a Grande Depressão”.

Segundo a ONU, “o objetivo é determinar respostas de emergência e de longo prazo para mitigar os efeitos da crise, especialmente nas populações vulneráveis, e iniciar um necessário diálogo sobre a transformação da arquitetura financeira internacional, tendo em conta as necessidades e preocupações de todos os Estados membros”.

Depois de rezar o Angelus da janela de seu apartamento, o Papa invocou “sobre os participantes da Conferência, assim como sobre os responsáveis do bem público e dos destinos do planeta, o espírito de sabedoria e de solidariedade humana, para que a atual crise transforme-se em uma oportunidade capaz de favorecer uma maior atenção pela dignidade de toda pessoa humana e de promover uma justa distribuição do poder de decisão dos recursos, prestando particular atenção ao número infelizmente sempre crescente de pobres”.

No dia em que em muitos países celebrava-se a festa de Corpus Christi, “Pão da vida”, o Papa lembrou “os centenas de milhões de pessoas que sofrem por causa da fome”.

“É uma realidade absolutamente inaceitável, que não consegue redimensionar-se apesar dos esforços das últimas décadas”, afirmou.

O Papa concluiu desejando que, com motivo da próxima conferência da ONU, “assumam-se medidas compartilhadas pela comunidade internacional e se realizem essas opções estratégicas, que, em certas ocasiões, não são fáceis de aceitar, mas que são necessárias para assegurar a todos, no presente e no futuro, os alimentos fundamentais e uma vida digna”.